Exame Invest
MERCADOS

Queda de 10% em ações nos EUA é ‘plausível’, diz Citi

PUBLICADO EM: 17.2.21 | 10H21
A meta do Citigroup para o S&P 500 no fim do ano é 3.800 pontos, e a equipe de estratégia espera que o índice seja negociado na faixa de 3.600 a 4.000
Specialist trader Meric Greenbaum works at his post on the floor of the NYSE in New York

Bolsas americanas: o nível dos índices acionários dos EUA não reflete uma bolha, e comparações com o início dos anos 2000 não fazem sentido, já que a economia americana está saindo de uma recessão, e não entrando (REUTERS)

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 1MIN

Para Tobias Levkovich, do Citigroup, uma queda de 10% dos índices acionários dos Estados Unidos parece “muito plausível” para mercados equilibrados de acordo com o risco-recompensa.

“Nossa cautela atual reflete vários fatores, que incluem visões muito otimistas, níveis altos de ‘valuation' e momentum de revisão para baixo dos lucros”, escreveu o estrategista-chefe de renda variável para EUA do Citi na terça-feira. Segundo ele, o potencial de ganhos é limitado até mesmo para metas altistas de outros, portanto, uma “postura neutra é realista”.

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina e invista com os melhores assessores

A meta do Citigroup para o S&P 500 no fim do ano é 3.800 pontos, e a equipe de estratégia espera que o índice seja negociado na faixa de 3.600 a 4.000. O índice de referência fechou em torno de 3.933 pontos na terça-feira, perto de um recorde.

No entanto, Levkovich diz que o nível dos índices acionários dos EUA não reflete uma bolha, e comparações com o início dos anos 2000 não fazem sentido, já que a economia americana está saindo de uma recessão, e não entrando. Além disso, o Federal Reserve não tem perspectiva de subir os juros.

Isso sugere que uma forte onda vendedora no mercado acionário é improvável, disse.
“Embora possa haver um recuo de 10% a 20%, não prevemos um colapso superior a 50%”, escreveu.

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame