Exame Invest
MERCADOS

Sabesp dispara 7% e Mosaico tem dia de realização após subir 107% em 2 dias

PUBLICADO EM: 9.2.21 | 10H46
ATUALIZAÇÃO: 9.2.21 | 18H43
Confira os principais destaques de ações desta terça-feira

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 5MIN

As ações da Sabesp (SBSP3) dispararam 7,10% e lideraram os ganhos do Ibovespa nesta terça-feira, 9, após a Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de São Paulo (Arsesp) divulgar notas técnicas para revisão tarifária da companhia, propondo uma tarifa média de 4,84 reais  por metro cúbico. O regulador também propõe uma mudança na estrutura tarifária.

A proposta será discutida entre 9 de fevereiro e 8 de março e os resultados finais deverão ser implementados até 9 de abril deste ano.

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina e invista com os melhores assessores

Segundo analistas do Credit Suisse, a proposta de revisão, no geral, é boa, citando que a Base de Remuneração Regulatória Inicial (RAB) líquida veio maior do que o previsto. O RAB líquido proposto é de 54,3 bilhões de reais no ano de 2020 (e de 58,3 bilhões de reais para 2021), ou 3,2% superior ao estimado pelo banco, incluindo 2,7 bilhões de reais de investimentos inicialmente não contemplados nas revisões tarifárias anteriores, comentam.

"Como os municípios de Santo André e Mauá ainda não foram incluídos no RAB, o resultado final pode ser ainda maior do que o previsto; notamos, no entanto, que se trata de um valor preliminar (ainda não supervisionado pela Arsesp)".

Eles destacam ainda que esse foi um bom começo para as discussões, ficando no aguardo da nota final. "A proposta de revisão tarifária pode ser modificada, mas os parâmetros iniciais parecem bons, em nossa opinião, principalmente devido à avaliação inicial do RAB e podem ajudar a compensar parte dos impactos do COVID".

No entanto, os analistas apontam que os impactos potenciais da crise podem resultar em um Ebitda pior para a Sabesp, principalmente devido à inadimplência potencialmente maior (regulador definiu em 1,4% das receitas versus um patamar próximo de 5% atingido durante o período de crise). "Mesmo assim, terminada a crise, os parâmetros são capazes de garantir bons níveis de Ebitda caso o RAB se confirme".

A recomendação das ações da companhia foi mantida em outperform, equivalente a compra, pelo Credit Suisse.

CVC Brasil 

Do lado negativo, as ações da CVC Brasil (CVCB3) chegaram a cair 4,6% na mínima do dia, mas amenizaram um pouco e fecharam com queda de 1,01%. O movimento ocorreu após a companhia comunicar, nesta manhã, a renúncia de quatro membros do seu conselho de administração.

No comunicado, a companhia informa que Silvio José Genesini Junior, Deli Koki Matsuo, Cristina Helena Zingaretti Junqueira e Henrique Teixeira Alvares renunciaram aos cargos de membros do conselho. A empresa, no entanto, não detalhou a razão para as renúncias.

Uma assembleia geral extraordinária foi convocada para 11 de março. "Tendo em vista o recebimento das renúncias e o fato de que os conselheiros foram eleitos por voto múltiplo, foi aprovada convocação de AGE (assembleia geral extraordinária) para eleição de todos os membros do conselho", disse a empresa. Os renunciantes foram eleitos em assembleia geral extraordinária realizada no dia 4 de maio do ano passado.

A CVC realiza amanhã seu Investor Day, evento voltado para investidores e acionistas, das 9h às 12h.

BTG Pactual

O BTG Pactual (do mesmo grupo controlador da EXAME) reportou nesta manhã lucro líquido ajustado de 1,258 bilhão de reais no quarto trimestre de 2020, 24,55% superior ao registrado no mesmo período de 2019 e 19,1% maior que o do trimestre anterior. No ano, o lucro líquido ajustado superou em 16,9% o de 2019, ficando em 4,050 bilhões de reais.

Apesar do resultado positivo na visão dos analistas, as units do banco (BPAC11) registraram queda de 0,38% hoje, com o mercado já tendo antecipado boa parte dos números nos últimos pregões. Mesmo com o recuo nesta sessão, só neste mês, os papéis acumulam ganhos de 16,48%, contra uma alta de 3,25% do Ibovespa no mesmo período. Ontem, subiram 3,77%, renovando máxima histórica de fechamento, cotados em 114,15 reais.

No quarto trimestre, as receitas totais do BTG alcançaram 2,83 bilhões de reais no quarto trimestre, crescimento de 13,6% na comparação anual. No ano, o aumento foi de 11,6%, para 9,30 bilhões de reais. O retorno anualizado sobre patrimônio líquido (ROAE, na sigla em inglês) ficou estável no quarto trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, em 19,1%, mas acima dos 15,7% registrados no terceiro trimestre deste ano.

Em relatório, os analistas do UBS destacaram que o lucro do banco superou as estimativas do consenso do mercado, diante de uma combinação de fortes receitas, especialmente na área de investment banking e crédito, juntamente com uma redução nas despesas.

A área de investment banking teve crescimento de 68,1% em receita nos três últimos meses de 2020, na comparação anual, atingindo desempenho recorde para um trimestre. A área de crédito do banco também apresentou forte expansão, com o portfólio crescendo 8% na comparação com o terceiro trimestre do ano passado. "A carteira de PME (pequenas e médias empresas) foi o principal destaque, com o novo produto de operações de recebíveis de cartões ajudando a receita de crédito crescer 40,3% na comparação trimestral", ressaltam.

Em coletiva de imprensa, o CEO do BTG Pactual, Roberto Sallouti, disse que está com visão construtiva para Brasil, acreditando que o país manterá disciplina fiscal e avançará com grandes reformas. Para ele, o impacto dos recursos que estão sendo levantados no mercado de capitais e que vão virar investimentos podem trazer impactos positivos na economia, ainda não contabilizados pelos economistas.

"Tenho dúvida se estamos conseguindo modelar adequadamente a quantidade de recursos que o mercado de capitais está direcionando para a economia produtiva. Podemos ter surpresa positiva nesse sentido”, disse.

Em relação às perspectivas para o banco, Sallouti comentou que o BTG+, banco digital voltado para pessoas físicas, mira um mercado potencial de 30 milhões de pessoas, com renda de 5 mil reais ou mais.

“Nossa meta é chegar a 15% de participação desse mercado ao longo dos próximos três anos, ou em torno de 4,5 milhões de contas nesse segmento. Mas provavelmente vamos abrir muito mais contas que isso, porque vamos acabar atraindo também clientes que estão no nosso target, que não vão conseguir usufruir todos os serviços”. 

Petrobras

Apesar do dia de alta dos preços do petróleo no mercado internacional, as ações da Petrobras (PETR3; PETR4) voltaram a ter sessão negativa na Bolsa. Os papéis ordinários recuaram 2,60% e os preferenciais, 2,03%, aparecendo entre as principais contribuições negativas em pontos para o índice neste pregão.

Ontem, as ações ordinárias caíram mais de 4% e as preferenciais, 3%, com investidores com dúvidas sobre a autonomia da empresa em sua política de preços e corte de recomendação de outperform, equivalente a compra, para neutra pelo Bradesco BBI.

Mosaico

Fora do Ibovespa, as ações da Mosaico (MOSI3), que estrearam na B3 na última sexta-feira, tiveram pregão de realização de lucros e caíram 9,58% após subirem 107% nos últimos dois pregões.

A empresa, dona dos comparadores de preços Buscapé, Bondfará e Zoom, captou 1,2 bilhão de reais em sua oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês). Desse total, cerca de 48% (578,6 milhões de reais) vieram da oferta primária, quando os recursos vão para o caixa da empresa.

A companhia afirmou que usará os recursos para a quitação de financiamento com o BTG Pactual, bem como ampliação da participação no mercado de comércio eletrônico.

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame