MERCADOS

Totvs dispara 7% com recomendação, Petrobras salta 4% e Bradespar afunda 6%

PUBLICADO EM: 2.2.21 | 10H24
ATUALIZAÇÃO: 2.2.21 | 18H53
Confira os principais destaques de ações desta terça-feira
Estrangeiro põe dinheiro e pessoa física tira da bolsa

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 7MIN

Em mais um dia de alta para o Ibovespa, a segunda sessão seguida de ganhos para o índice, as ações ordinárias e preferenciais da Petrobras (PETR3; PETR4) apareceram entre as principais contribuições positivas em pontos para o benchmark da Bolsa brasileira nesta terça-feira, 2, puxadas pela valorização dos preços do petróleo. Também no radar da empresa, notícia aponta que a companhia avalia vender sua participação na BR Distribuidora, segundo informações da Reuters, citando fontes com conhecimento sobre o assunto. Após o fechamento do pregão, a estatal divulga ainda seu relatório de produção do quarto trimestre de 2020.

Do lado aposto, as ações da Vale (VALE3), em meio à derrocada do minério, e Itaú (ITUB4), após registrar queda de 35% do lucro em 2020, foram os principais destaques negativos em pontos para o índice. Em variação, a Bradespar (BRAP4), holding que detém participação na Vale, puxou as perdas, com queda de 5,71%.

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina e invista com os melhores assessores

Veja abaixo os principais destaques de ações deste pregão:

As ações do Itaú (ITUB4) fecharam em queda de 2,13% após divulgar lucro líquido recorrente de 5,388 bilhões de reais no quarto trimestre, queda de 26,1% na comparação com o mesmo período do ano passado. Em 2020, o lucro foi de 18,5 bilhões de 34,6% em relação a 2019, impactado pelo aumento das despesas com provisões por conta dos efeitos da pandemia na atividade econômica.

O banco reportou ainda nesta manhã seu guidance para 2021. A carteira de crédito da instituição financeira deve crescer entre 5,5% e 9,5%. Já a margem financeira com clientes deve ter avanço de 2,5% a 6,5%. A margem com o mercado deve ficar entre 21,3 bilhões e 24,3 bilhões de reais. A receita com tarifas deve crescer entre 2,5% e 6,5%. As despesas não decorrentes de juros deve apresentar variação entre -2,0% e 2,0%. E a alíquota efetiva de imposto de renda e contribuição social deve ficar entre 34,5% e 36,5%.

Após a divulgação do resultado, a equipe de análise da Exame Research comentou que os números vieram ligeiramente abaixo do esperado, principalmente o retorno sobre patrimônio líquido (ROE, na sigla em inglês), que ficou em 16,1%, inferior em 0,8 ponto percentual da projeção (16,9%).

Os analistas reiteraram recomendação de venda para as ações do Itáu, apontando que acreditam que os primeiros trimestres do próximo ano continuarão sendo desafiadores e, apesar do banco ter apresentado bons indicadores de liquidez, preferem aguardar para entender como a inadimplência vai se comportar no início de 2021.

No setor, os demais grandes bancos fecharam em direções opostas: Bradesco (BBDC4) e Banco do Brasil (BBAS3) caíram 0,41% e 0,67%, respectivamente, enquanto Santander (SANB11), que reporta seu balanço amanhã antes da abertura do mercado, subiu 0,49%.

Vale e siderúrgicas

Também do lado negativo apareceram as ações da Vale (VALE3), com desvalorização de 3,96%, seguindo a derrocada do minério de ferro. No mesmo sentido, as siderúrgicas CSN (CSNA3), Usiminas (USIM5), Gerdau (GGBR4) e Metalúrgica Gerdau (GOAU4) caíram entre 1% e 3%. A Bradespar (BRAP4), holding que detém participação na Vale, recuou 5,71%, a maior queda percentual do Ibovespa hoje.

O minério negociado no porto chinês de Qingdao recuou 4,63% nesta sessão, indo para 149,80 dólares a tonelada, com o mercado preocupado com uma fraqueza na demanda pela commodity por conta do feriado de Ano Novo Lunar na China, que dura uma semana a partir de 11 de fevereiro. 

No radar, a Vale reporta seu relatório de produção referente ao quarto trimestre após o fechamento do pregão de amanhã. No dia 25, também após o pregão, a mineradora divulga seu balanço trimestral.

Além disso, a mineradora tem prazo até o dia 12 de fevereiro para apresentar uma nova proposta para autoridades de Minas Gerais em relação à tentativa de reparação dos danos provocados pelo rompimento da barragem de Brumadinho. Ontem, o governo mineiro negou que as instituições que representam o poder público tenham finalizado as negociações com a empresa.

A nota foi divulgada após reportagem do jornal O Tempo afirmar que a Vale e o governo fecharam um acordo de 37 bilhões de reais, citando fonte relacionada ao governo e ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

Em relatório, os analistas do BTG Pactual comentaram que, se sair algum acordo, seria bom para ambas as partes. "Acreditamos que o acordo deve ser um evento para puxar um re-rating na ação, mas difícil dizer quanto".

Eles reiteraram recomendação de compra para as ações, apontando que seguem acreditando em um re-rating das ações baseado em expectativa de dividendos robustos este ano (com dividend yiel -- dividendo sobre o preço da ação -- estimado em cerca de 13%), gradual recuperação dos volumes e redução de custos e melhora de percepção ESG. "Vemos as ações negociando a um múltiplo EV/Ebitda (dado pela divisão do valor da firma pelo Ebitda) de 3 vezes estimado para 2021, dando uma relevante desconto frente aos seus pares internacionais, de 35% a 40% em relação aos pares australianos", comentam. Nesses níveis, eles dizem que os papéis da companhia estão "grosseiramente subvalorizados".

Petrobras

Do outro lado, as ações ordinárias e preferenciais da Petrobras (PETR3; PETR4) subiram 3,45% e 4,10%, respectivamente, acompanhando a alta do petróleo no mercado internacional. Além disso, a Reuters informou, citando fontes com conhecimento do assunto, que a companhia está considerando vender sua fatia remanescente na BR Distribuidora (BRDT3) se a ação da empresa atingir 26 reais.

A venda da participação de 37,5% mantida pela estatal daria fim à participação do governo na distribuidora de combustíveis, que se tornaria uma empresa sem um grande acionista no controle.

Também no radar da petroleira, a Petrobras divulga após o fechamento do pregão seu relatório de produção do quarto trimestre.

Em janeiro, a companhia disse que registrou recordes de produção anual total (incluindo gás natural) e de petróleo, com 2,84 milhões de barris de óleo equivalente por dia e 2,28 milhões de barris por dia, respectivamente.

Adicionalmente, ontem após o fechamento do pregão, a companhia informou ainda que recebeu propostas vinculantes para venda da totalidade de sua participação em um conjunto de sete concessões de produção terrestres, denominado Polo Urucu, localizado na Bacia de Solimões, no estado do Amazonas, e iniciou a fase de negociação com a Eneva (ENEV3) dos termos e condições para a potencial venda. Não foram divulgados valores sobre a potencial transação.

Na última segunda, as ações da Eneva subiram 13,51% depois de notícia de que a Petrobras teria escolhido a empresa como vencedora na disputa pelo campo de Urucu, conforme divulgou o BrazilJornal ontem, com o pregão ainda em andamento. Nesta sessão, os papéis ENEV3 avançaram mais 1,32%, depois de registrarem alta de cerca de 6% na máxima do dia.

Em relatório, os analistas do Bradesco BBI comentaram que a notícia é "extremamente positiva" para a Eneva, uma vez que esse ativo é o pilar da estratégia da companhia para se tornar o principal fornecedor de gás na região norte do país. No entanto, ressaltaram que faltam informações mais detalhadas sobre a operação e, por isso, optaram por manter a recomendação neutra para os papéis. Veja mais aqui.

Segundo a Petrobras, a assinatura dos contratos de venda está sujeita ao êxito das negociações, que envolvem aspectos comerciais e contratuais da transação a serem aprovados pelas instâncias decisórias de ambas as partes.

Nesta sessão, os contratos do petróleo Brent, negociados em Londres e usados como referência pela estatal, avançaram 2,0%, com grandes produtores da commodity mostrando que estão cortando a produção em linha com seus compromissos de limitar a oferta, apoiando um mercado prejudicado pela fraca demanda por conta dos impactos da pandemia.

Segundo pesquisa da Reuters, a produção de petróleo da Opep aumentou pelo sétimo mês em janeiro, depois que membros do grupo e aliados concordaram em reduzir ainda mais as restrições à oferta, mas o crescimento foi menor do que o esperado.

Totvs 

Ocupando o posto de segunda maior alta percentual do índice, apareceram as ações da Totvs (TOTS3), com alta de 6,77%, após o Credit Suisse elevar a recomendação dos papéis de neutra para outperform, equivalente a compra. O preço-alvo também foi revisado para cima, de 27,00 reais para 35,00 reais, o que representa um potencial de valorização de 23% frente ao fechamento de ontem.

Os analistas do banco comentam que saíram com visão positiva após reuniões com a empresa na semana passada, que mostraram que a companhia está apresentando um desempenho sólido em seu negócio principal de sistemas de gestão empresarial (ERP, na sigla em inglês) e que está pronta para acelerar o cross-selling (vendas cruzadas) de soluções do fornecedor para os clientes existentes da companhia.

Para 2021, os analistas estimam um crescimento de receita líquida total de 11% na comparação anual e avanço da geração operacional de caixa (Ebitda) de 18%.

"O aumento da receita líquida ajustada para 2021 reflete um sólido desempenho de software e uma maior expectativa de crescimento da receita de fornecedor, após uma boa expansão na carteira de credito no quatro trimestre (cerca de 12% na comparação com o terceiro trimestre). Além disso, a Totvs disse estar totalmente focada no crescimento (mantendo a disciplina de custos) e as fusões e aquisicões complementares voltaram a ser uma prioridade", comentam.

Além disso, eles destacam que a ação está negociando a um múltiplo atraente nesses níveis, com um indicador de Preço sobre Lucro (P/L) ajustado de 38 vezes estimado para 2021 e 31 vezes para 2022.

Espaçolaser

Fora do Ibovespa, as ações da Espaçolaser (ESPA3), que estrearam na B3 ontem com ganhos de 17,21%, deram continuidade ao movimento positivo neste pregão e subiram mais 1,53%.

Considerada a maior rede de depilação do mundo, a companhia precificou sua oferta a 17,90 reais por ação e levantou 2,64 bilhões de reais – sendo que a maior parte do montante (1,44 bilhão de reais) ficou com antigos acionistas. 

Em prospecto, a companhia informou que pretende utilizar o dinheiro captado no IPO para comprar participações remanescentes em lojas controladas e franqueadas. Até 2019, a companhia possuía 514 unidades. 

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame