Exame Invest
Mercados

Wiz segue plano agressivo e agora entra em crédito imobiliário com Itaú

PUBLICADO EM: 6.7.21 | 8H32
ATUALIZAÇÃO: 6.7.21 | 10H17
Companhia de distribuição de produtos financeiros, que já atua com seguros e consórcios, acumula alta de mais de 100% nas ações desde o início do ano
Rodrigo Salim

Rodrigo Salim, diretor-executivo da Wiz Parceiros: potencial de crescimento com acordo com o Itaú | Foto: Wiz/Divulgação (Wallace Feitosa)

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A Wiz Soluções (WIZS3), gestora de canais de distribuição de seguros e produtos financeiros, acaba de dar um passo importante na diversificação de negócios. A companhia fechou uma parceria com o Itaú Unibanco (ITUB4) e oferecerá financiamento imobiliário do maior banco do país. A informação foi divulgada com exclusividade pela EXAME Invest.

O acordo, com duração prevista de 20 anos, prevê uma rede de 17.000 pontos de vendas para a distribuição do produto de crédito em todo o país. A estratégia é focar principalmente nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

As linhas de financiamento oferecidas têm um prazo de até 360 meses (o prazo mínimo varia de 12 a 48 meses, de acordo com o produto), atendem a compra de imóveis com valor mínimo até 134 mil reais e o percentual de financiamento vai até 82% do valor do imóvel, com valor mínimo de 40 mil reais. O Itaú já era parceiro da Wiz no segmento de consórcio, tanto na comercialização de veículos leves quanto pesados.

Um recomeço

A Wiz vive um momento de recuperação dos seus resultados. A companhia tem anunciado novos negócios e uma expansão após perder o contrato de negociação de seguros da Caixa, em março deste ano. O casamento com o banco público do país durou quase 50 anos.

A Wiz nasceu como uma corretora que prestava serviços exclusivos para a Caixa, intermediando a venda de seguros dentro do banco. O objetivo era maximizar o retorno do banco em produtos que não eram o seu core business e, até este ano, a Wiz nunca tinha atendido outras companhias.

O mercado parece reconhecer o potencial do novo posicionamento da empresa. Desde janeiro, as ações da companhia acumulam valorização de 120% na B3. Um relatório recente do BTG Pactual sobre a empresa recomendava a compra dos papéis e apontava preço-alvo de 19 reais por ação. No fechamento do pregão da segunda-feira, 5, as ações ficaram em 16,45 reais.

“A parceria com o Itaú amplia o nosso market share. Eles nos procuraram porque conseguimos atingir nichos específicos geograficamente. Entramos no segmento e com apetite pelo produto em crescimento. No país, existe um déficit habitacional ainda muito grande”, afirmou Rodrigo Salim, diretor-executivo da Wiz Parceiros.

O financiamento imobiliário segue em plena expansão no Brasil. Dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) apontam que os financiamentos com recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo atingiram 17,47 bilhões de reais em maio deste ano.

Foi o maior volume nominal mensal registrado em um mês de maio na série histórica iniciada em 1994. Na comparação com o mesmo período do ano passado, os financiamentos tiveram um salto de cerca de 145%.

O Itaú Unibanco é um gigante no segmento. Entre os bancos privados, ele lidera o ranking de financiamento imobiliário. Ao incluir na análise comparativa os bancos públicos, ele perde apenas para a Caixa, que é líder no setor.

“Temos capacidade para que o Itaú seja maior ainda. A Wiz atua como um hub ligando as pontas entre os clientes e o banco. Temos um leque grande de produtos e uma forte distribuição”, acrescenta Salim.

Uma das estratégias da Wiz é a distribuição de produtos por meio das imobiliárias, assim como já faz com as concessionárias para distribuição de seguros. A iniciativa com as imobiliárias tem apenas dois meses de execução, mas grande potencial de crescimento.

Além do Itaú, a Wiz tem parceria com outros maiores bancos do país, como Santander (SANB11), Bradesco (BBDC4), e Caixa, além do Inter (BIDI11), do Banco do Brasília e BMG (BMGB4). Salim explicou que as operações e as equipes que atendem aos bancos são separadas para manter a competitividade.

“No Itaú, o destaque parte do consórcio de automóveis. Cada um tem uma característica. E nossas equipes trabalham separadas.”

 

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame