Exame Invest
Mercados

6ª semana de alta; PIB: -3,1% no ano…

PUBLICADO EM: 22.7.16 | 18H44
ATUALIZAÇÃO: 23.6.17 | 19H40
Seis semanas de alta O Ibovespa fechou esta sexta-feira com alta de 0,64%, alcançando os 57.000 pontos pela primeira vez desde maio de 2015. A alta foi ajudada pelo cenário externo. Nos Estados Unidos, o índice S&P 500 subiu 0,5% e bateu um novo recorde histórico. Na semana, o Ibovespa subiu 2,5% e completou seis […]
CNOVA1

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Seis semanas de alta

O Ibovespa fechou esta sexta-feira com alta de 0,64%, alcançando os 57.000 pontos pela primeira vez desde maio de 2015. A alta foi ajudada pelo cenário externo. Nos Estados Unidos, o índice S&P 500 subiu 0,5% e bateu um novo recorde histórico. Na semana, o Ibovespa subiu 2,5% e completou seis semanas seguidas de alta — a maior sequência de valorização desde outubro de 2010. Entre os destaques da semana estão os papéis preferenciais da Usiminas, que subiram 19,5% após um acordo com os credores prorrogando os vencimentos de obrigações para setembro.

_

Boa fase na Localiza

As ações da locadora de veículos Localiza subiram 5,5% nesta sexta-feira — a maior alta do Ibovespa. Ontem à noite, a companhia abriu a temporada de balanços do segundo trimestre com um lucro de 98 milhões de reais. O resultado foi 4,9% maior do que o obtido um ano antes. Em relatório, analistas do banco UBS descaram que o resultado foi positivo e que o bom momento da Localiza deve continuar ao longo de 2016. A companhia também anunciou que o conselho de administração aprovou a recompra de 11 milhões de ações.

_

IPO do Oriente

A BRF planeja abrir o capital de sua subsidiária Sadia Halal, unidade que vende produtos alimentícios congelados ao Oriente Médio e tem valor de mercado estimado em 5 bilhões de dólares. Segundo a agência de notícias Bloomberg, a BRF tem conversado com assessores financeiros para ofertar as ações em 2017. A oferta poderia levantar 1,5 bilhão de dólares, mas nenhuma decisão foi tomada sobre em qual bolsa seria feito o IPO. Em reposta à reportagem, a BRF disse que serão analisadas as alternativas para potencializar a expansão da subsidiária, mas que seria “prematuro” afirmar que haja algo dessa natureza em curso. As ações da BRF subiram 2,1% nesta sexta-feira.

_

BNDES menor

O BNDES anunciou novas regras para o financiamento de empresas que vencerem leilões públicos de transmissão de energia elétrica. A participação máxima do banco no financiamento a juros subsidiados fica limitada a 50%, ante os 70% do regulamento anterior. A taxa de juro de longo prazo continua em 7,5%. O teto de participação do BNDES pode subir para 70% caso o excedente seja emprestado a juros de mercado. As medidas passam a valer no dia 2 de setembro.

_

Novas previsões do governo

Em relatório divulgado nesta sexta-feira, o governo ajustou os parâmetros macroeconômicos para 2016. A previsão de queda do PIB passa a ser de 3,1%, ante os 3,8% anunciados anteriormente. Já a inflação é esperada maior do que antes, 7,2%, em vez dos 7% anunciados previamente. Com as variações recentes do câmbio, é esperado também que o dólar passe de 3,70 para 3,50 reais. Segundo o documento, o governo prevê uma queda de cerca de 10,7 bilhões de reais na receita total, um aumento nos gastos obrigatórios de 8,6 bilhões de reais e uma redução de 16,5 bilhões de reais nos gastos discricionários.

_

Fraude contábil na Cnova

A varejista eletrônica Cnova apontou erros na contabilidade e fraudes na administração dos estoques que impactaram diretamente o patrimônio da empresa em 400 milhões de reais até o fim de 2015. O grupo, responsável pelos sites de Extra, Pontofrio e Casas Bahia, afirmou que o número leva em consideração os descontos dados por fornecedores, a contabilização dos ativos fixos, as provisões de perdas em contas a receber e os passivos de mercado. A companhia divulgou o resultado final de sua investigação interna e decidiu fazer uma baixa contábil de 42,6 milhões de reais no balanço anual de 2015.

_

NFC na bolsa?

A NFC Participação, holding de investimentos de sócios do Bradesco, submeteu pedido de registro de companhia aberta à Comissão de Valores Mobiliários. A empresa detém 5,3% do capital do Bradesco, além de 9,3% de participação na Bradespar, companhia de participações do banco. No ano passado, a NCF arrecadou 5 bilhões de reais por meio de uma emissão de debêntures, num lote que foi integralmente comprado pelo Banco do Brasil. O pedido de abertura de capital é o primeiro passo para as companhias que desejam fazer uma oferta de ações na bolsa.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame