Antecipação do pagamento da dívida pode elevar dólar | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

Antecipação do pagamento da dívida pode elevar dólar

PUBLICADO EM: 20.3.12 | 10H24
O governo brasileiro pode acelerar o pagamento de dívida externa do país como instrumento de combate à valorização do real
Dólar 1

Notas de dólar

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo - O mercado doméstico de câmbio tem dois motivos para começar o dia negociando o dólar em alta em relação ao real. O primeiro é a repercussão das declarações dadas ontem pelo secretário do Tesouro, Arno Augustin, em entrevista à Agência Estado, de que o governo brasileiro vai acelerar o pagamento de dívida externa do país como instrumento de combate à valorização do real. O segundo é a trajetória de alta do dólar no exterior, num dia em que todas as expectativas do mercado internacional de câmbio se dirigem para o pronunciamento do presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, marcado para as 13h45.

A fala de Augustin só reforça a convicção do mercado de que o governo está unido e convicto em continuar tomando qualquer medida que seja necessária para impedir a valorização excessiva do real. Anteriormente, o secretário do Tesouro já tinha falado na possibilidade de antecipar os pagamentos da dívida externa, mas ontem ele apresentou números e o impacto foi imediato.

Augustin informou que o governo já está negociando para breve o pagamento de US$ 2,9 bilhões de dívida externa junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Mas o potencial de quitação antecipada de dívida externa é superior a US$ 15 bilhões. Além disso, ele reiterou que várias medidas cambiais estão sendo discutidas no governo para evitar a continuidade do processo de valorização do real. "Elas vão continuar", afirmou.

Com isso, no mercado futuro, o dólar abril encerrou o pregão com ganho de 1,02%, a R$ 1,8275. No mercado à vista, que estava com as atividades praticamente encerradas quando Augustin falou, o dólar fechou com alta de 0,22%, a R$ 1,8060 no balcão, e 0,32%, a R$ 1,8062 na BM&F. Essa diferença tende a ser ajustada na abertura de hoje.

Lá fora, o reforço está no fato de que, nos últimos dias, os mercados vêm mantendo expectativas de que a economia norte-americana entrou numa rota de recuperação mais consistente e duradoura, ao mesmo tempo em que experimentam um sentimento de maior alívio com relação à Europa, depois da última injeção de recursos por parte do Banco Central Europeu e da reestruturação da dívida grega. Para as moedas, esse mix, embora resulte numa percepção de redução de risco, tem fortalecido o dólar, visto que diminui as chances de afrouxo monetário nos EUA. É isso que os investidores esperam ver ratificado no discurso de Bernanke hoje.

Além disso, o dólar beneficia-se da queda das commodities que tem o noticiário chinês por trás. O presidente da divisão de minério de ferro da mineradora australiana BHP Billiton, Ian Ashby, disse que a demanda da China por minério de ferro está "se achatando" e isso repercute fortemente nos mercados.


Até porque, vem junto com outras informações. Uma delas, não é exatamente oficial, mas também merece atenção. O ex-conselheiro do Banco Popular da China (PBOC, banco central chinês, na sigla em inglês) Xia Bin disse que espera crescimento médio de 7% na economia chinesa nos próximos 5 anos. Afirmou, porém, que a taxa relativamente mais lenta de crescimento não significa que Pequim deva relaxar a política monetária.

"O governo da China não deve afrouxar sua política monetária, mesmo com a economia a abrandar... isso não seria bom para o desenvolvimento do país a longo prazo", disse Xia durante Conferência de Investimento do Credit Suisse asiático, realizada em Hong Kong. Ao mesmo tempo, Xia disse que considera improvável que a taxa anual de crescimento da China caia abaixo de 6%, mesmo com a desaceleração do crescimento global, dado o aumento do poder aquisitivo local.

Ainda na China, o presidente do banco central chinês (PBoC, People's Bank of China), Zhou Xiaochuan, afirmou que as condições estão "basicamente maduras" para que o país avance na liberalização dos juros e que o governo vai trabalhar nisso ao longo deste ano. Acrescentou também que a China vai abrir mais seus mercados financeiros e ampliar a flexibilidade do yuan. Segundo Zhou, o país pretende avançar de modo estável na direção da conversibilidade do yuan na conta de capitais e reduzir as restrições ao investimento de indivíduos no exterior.


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame