Exame Invest
Mercados

Aumento de capital da Oi na fusão com a PT será de R$ 14 bi

PUBLICADO EM: 20.2.14 | 16H31
Fato Relevante da Oi afirma que, na quarta, foram celebrados vários instrumentos contratuais definitivos que descrevem operação de fusão com a Portugal Telecom
Loja da Oi em um shopping

Loja da Oi: ela enviou na quarta à CVM prospecto preliminar detalhando condições para oferta pública, que será registrada na própria comissão de valores e na SEC (dos EUA)

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo - A Oi divulgou nesta quinta-feira, 20, em Fato Relevante na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mais detalhes sobre a operação de fusão com a Portugal Telecom (PT), incluindo um aumento de capital da operadora brasileira no valor total estimado de R$ 14 bilhões.

O comunicado afirma que na quarta-feira, 19, foram celebrados vários instrumentos contratuais definitivos que descrevem a operação, prevendo que a Telemar Participações será a sociedade que reunirá os acionistas das sociedades envolvidas.

Dentro do valor total de R$ 14 bilhões, que será captado no mercado, R$ 7 bilhões (no mínimo, mas "com objetivo de alcançar R$ 8 bilhões") serão obtidos com subscrição da PT e o remanescente em bens representados pelos ativos da companhia portuguesa, que foram avaliados entre 1,636 bilhão de euros e 1,808 bilhão de euros, que terão os valores convertidos para reais na sexta-feira, 21.

Convertidos na cotação atual, o valor ficaria em torno de R$ 5,354 bilhões e R$ 5,917 bilhões.

Por sua vez, um "veículo de investimento" administrado e gerido pelo Banco BTG Pactual celebrou compromisso de subscrição de ações ordinárias e/ou preferenciais em um valor total equivalente à diferença entre R$ 2 bilhões e os valores a serem estabelecidos na oferta pública da CorpCo, excluída a Bratel Brasil.

A Oi enviou ainda na quarta-feira à CVM um prospecto preliminar detalhando as condições para a oferta pública, que será registrada na própria comissão de valores e nos Estados Unidos na SEC (Securities and Exchange Comission).

A fusão prevê a formação da CorpCo, que terá sede no Brasil e irá consolidar as bases acionárias das duas operadoras. No entanto, ficou estabelecido que as marcas comerciais Oi e Portugal Telecom continuarão a ser usadas, ainda que sob gestão única.

O documento também confirma que Zeinal Bava continuará à frente das duas companhias, atuando como CEO da CorpCo e suas subsidiárias. A transação deverá gerar sinergias operacionais e financeiras estimadas em R$ 5,5 bilhões, de acordo com as empresas.

O cronograma de datas estimadas prevê que assembleias de acionistas da PT e da Oi sejam realizadas no dia 27 de março. No dia 16 de abril, será estabelecido o valor da oferta pública de ações, com a liquidação financeira da oferta no dia 23 do mesmo mês.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame