Exame Invest
Mercados

BM&FBovespa vai divulgar Libor brasileira a partir de janeiro

PUBLICADO EM: 21.12.10 | 13H04
Bolsa espera que nova taxa substitua o uso do Certificado de Depósito Interbancário no mercado de renda-fixa
Pregão da BM%26FBovespa

Inicialmente a taxa Libor terá prazo de três e seis meses

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Brasília - A BM&FBovespa SA vai iniciar a divulgação diária, no início de janeiro, da versão brasileira da taxa interbancária de Londres da Associação Britânica dos Bancos, conhecida como Libor. A taxa vai estabelecer uma nova referência para o mercado de renda-fixa e deve tomar parte do espaço hoje ocupado pelo Certificado de Depósito Interbancário.

“Vamos ajudar a desenvolver o mercado secundário alongando os prazos”, disse o diretor de Renda Fixa e Câmbio da BM&FBovespa, Sérgio Goldenstein.

As novas taxas terão prazo de três e seis meses e serão derivadas da curva de contratos futuros de Depósito Interfinanceiro, disse ele em entrevista telefônica ontem de São Paulo. Haverá posteriormente uma taxa para doze meses.

A criação de uma nova referência de juro flutuante, parte do pacote anunciado semana passada para estimular o financiamento privado de longo prazo, tem como objetivo romper com a cultura do CDI, herança do período da hiperinflação. Segundo Goldenstein, a vinculação a uma referência de curtíssimo prazo como o CDI prejudica o desenvolvimento do mercado de títulos. O Certificado de Depósito Interbancário é usado pelos bancos para repassarem dinheiro diariamente entre si.

A BM&F está em fase final de definição da metodologia para calcular as novas taxas por meio de interpolação da curva de DI, de acordo com Goldenstein.

‘Ótimo sinal’

O primeiro passo para substituir o CDI em emissões a taxa flutuante foi a colocação, na semana passada, de R$ 1 bilhão de debêntures do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social remuneradas por um spread fixo sobre a curva de DI a cada três meses.

A demanda pelos papeis chegou a R$ 3 bilhões, um “ótimo sinal” sobre o interesse por uma referência de juro mais longa que o CDI, disse Goldenstein.

Nos títulos públicos, há quase R$ 1 trilhão de papéis ligados à taxa Selic considerando operações de emissão da dívida do Tesouro e as operações compromissadas do Banco Central, segundo Goldenstein.

“No mercado de títulos privados, essa indexação ao DI é muito maior”, disse ele. “Romper com essa cultura é um processo gradual.”

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame