Exame Invest
Mercados

Banco do Japão mantém política monetária

PUBLICADO EM: 15.9.15 | 7H31
O BC japonês disse que o país se recupera moderadamente, embora as exportações e a produção tenham sido afetadas pela desaceleração das economias emergentes
Bandeira japonesa flutua no topo do prédio do Banco Central do Japão, em Tóquio, em dezembro de 2012

Banco Central do Japão: o país continua a se recuperar moderadamente, embora as exportações e a produção tenham sido afetadas pela desaceleração das economias emergentes

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Tóquio - O Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) decidiu manter sua política monetária inalterada, mas avaliou que as exportações e produção industrial do país estão mais fracas do que no mês passado.

Encerrando uma reunião de dois dias, o BoJ decidiu hoje, por 8 votos a 1, manter inalterado o volume anual do programa de compras de ativos em 80 trilhões de ienes, em linha com a previsão da maioria dos economistas.

Como ocorreu em encontros anteriores, o único dirigente contrário à manutenção do volume atual foi Takahide Kiuchi, que mais uma vez sugeriu reduzir o programa para 45 trilhões de ienes anuais.

A última vez em que o BoJ ampliou o tamanho do programa foi em outubro do ano passado.

Em comunicado, o BoJ afirmou que, recentemente, as exportações e produção industrial do Japão têm ficado "mais ou menos estáveis", mudando o tom da linguagem que usou em agosto, quando declarou que ambas estavam "ganhando força".

O BC japonês também reviu sua visão geral da economia, ao dizer que o país "continua a se recuperar moderadamente, embora as exportações e a produção tenham sido afetadas pela desaceleração das economias emergentes".

A avaliação do BoJ se segue a uma leva de indicadores decepcionantes que sugerem que a economia do Japão continua numa situação difícil, depois de apresentar queda anual de 1,2% no segundo trimestre, devido a exportações, consumo e investimentos fracos.

O tom menos otimista do BoJ deverá alimentar expectativas de que o BC japonês voltará a adotar novos estímulos, possivelmente na reunião de outubro.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame