Exame Invest
Mercados

Bolsa se aproxima de recorde após corte de juros e reajuste da Petrobras

PUBLICADO EM: 19.9.19 | 11H57
Às 11:35, o Ibovespa subia 0,73%, a 105.297,80 pontos, próximo da máxima de fechamento de 105.817,06 pontos, registrada em 10 de julho

(NurPhoto via Getty Images)

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo — O tom positivo prevalecia na bolsa paulista nesta quinta-feira, um dia após o Banco Central cortar a taxa básica de juros para 5,5% ao ano, nova mínima histórica, com as ações da Petrobras entre os principais suportes do Ibovespa seguindo o avanço do petróleo e reajuste nos preços de combustíveis.

Às 11:35, o Ibovespa subia 0,73%, a 105.297,80 pontos, próximo da máxima de fechamento de 105.817,06 pontos, registrada em 10 de julho. O recorde intradia é de 106.650,12 pontos, alcançado naquele mesmo pregão. O volume financeiro somava 4,58 bilhões de reais.

O Comitê de Política Monetária (Copom) cortou na quarta-feira a Selic em 0,5 ponto percentual, para 5,50% ao ano, dando sequência ao ciclo de afrouxamento monetário em meio à débil recuperação econômica, e sinalizou que o processo deve seguir adiante.

"Ao que tudo indica, o ciclo de corte de juros no Brasil não parou por aí", destacou a Ágora Investimentos a clientes. Quanto aos próximos passos do BC, a corretora observa que economistas estão divididos sobre a taxa ao final do ciclo, com uma maioria enxergando 5%, mas algumas projeções já apontam 4,75% e 4,5%.

Estrategistas e gestores têm citado os juros mais baixos no país entre os motivos para a performance positiva das ações brasileira, tanto pelo efeito benigno nas despesas financeiras das empresas, o que ajuda nos lucros, como pela migração de investidores oriundos da renda fixa, atrás de maiores retornos.

"Este cenário de juros predomina no momento frente ao cenário externo", avalia o estrategista Felipe Sichel, do modalmais. Ele destacou que o corte da Selic foi significativo e o comunicado surpreendeu, motivando ajustes para baixo na expectativa de Selic. "Isso impacta diretamente no 'valuation' dos papéis da bolsa."

Destaques

- PETROBRAS PN valorizava-se 1,5%, favorecida pela alta do petróleo no exterior, além de decisão da companhia de elevar o preço médio do diesel nas refinarias a partir desta quinta-feira após ataques a instalações da Saudi Aramco no fim de semana terem elevado os valores internacionais do petróleo. A petrolífera também obteve decisão favorável do Carf em processo de 16,4 bilhões de reais.

- B2W ON avançava 4,4%, também reagindo ao cenário para a Selic, além de acordo da sua controladora Lojas Americanas para integração de plataformas de pagamentos que permitirá o acesso da fintech Ame e B2W a mais de 65 mil lojistas que usam os sistemas da Linx. LOJAS AMERICANAS PN subia 2% e LINX ON, que não está no Ibovespa, ganhava 5%.

- ITAÚ UNIBANCO PN e BRADESCO PN subiam 0,5% e 0,6%, também embalados pelo ambiente mais positivo no pregão brasileiro.

- CYRELA ON subia 3,4%, com o setor imobiliário em forte alta, na esteira de perspectivas de novas quedas nos juros, que tendem a beneficar o segmento. No mesmo sentido, papéis de empresas de shopping centers também avançavam, com MULTIPLAN ON à frente, com alta de 3,9%.

- VALE ON caía 0,4%, após os futuros do minério de ferro na China despencarem nesta quinta-feira, na quarta sessão consecutiva de perdas, enquanto o aço também recuou, em meio a preocupações sobre a demanda futura.

- CIELO ON perdia 2,8%, destaque na ponta negativa, tendo no radar a parceria entre Lojas Americanas e Linx, além de alta de 17% nos últimos três pregões.

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame