Exame Invest
MERCADOS

Bolsas asiáticas fecham sem sinal definido; Hong Kong cai 0,2%

PUBLICADO EM: 9.9.11 | 7H34
Tóquio - As Bolsas da Ásia voltaram a fechar novamente com números mistos. Nesta sexta-feira, parte dos mercados da região andou de lado. O discurso do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, com as novas iniciativas do governo norte-americano para alavancar o emprego, não estimulou o sentimento dos investidores sobre a reação da economia global. […]
EXAME.com

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Tóquio - As Bolsas da Ásia voltaram a fechar novamente com números mistos. Nesta sexta-feira, parte dos mercados da região andou de lado. O discurso do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, com as novas iniciativas do governo norte-americano para alavancar o emprego, não estimulou o sentimento dos investidores sobre a reação da economia global. Eles também reagiram friamente aos números da inflação de agosto na China.

Por conta dessas incertezas, a Bolsa de Hong Kong fechou em ligeira baixa. Com fraco volume de negociações, o índice Hang Seng caiu 46,19 pontos, ou 0,2%, e encerrou aos 19.866,63 pontos - na semana, o índice acumulou queda de 1,7%.

Na China, a Bolsa de Xangai apresentou estabilidade. A inflação de agosto permaneceu forte, sugerindo que há pouco espaço para o governo reduzir as medidas de aperto monetário. O índice Xangai Composto caiu apenas 0,1% e fechou aos 2.497,75 pontos - na semana, o índice teve recuo de 1,2%. Já o índice Shenzhen Composto baixou 0,6% e encerrou aos 1.194,03 pontos.

O iuane se desvalorizou em relação ao dólar, após o Banco Central chinês elevar a taxa de paridade central dólar-iuane (de 6,3889 iuanes para 6,3922 iuanes), em meio ao fortalecimento da moeda dos EUA nos mercados internacionais e à alta pressão inflacionária na China. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,3882 iuanes, de 6,3840 iuanes ontem - a moeda chinesa se valorizou 6,9% em relação à unidade dos EUA desde junho de 2010.

Já na Coreia do Sul, a Bolsa de Seul teve forte baixa. Os investidores, principalmente os estrangeiros, decidiram cortar posições, à véspera dos feriados de segunda e terça-feira. O índice Kospi caiu 1,83% e encerrou aos 1.812,93 pontos.

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, fechou em alta, liderada por ganhos de pesos pesados de tecnologia e influenciada pela divulgação da inflação da China. O índice Taiwan Weighted avançou 0,82% e terminou aos 7.610,57 pontos.

Na Austrália, a Bolsa de Sydney fechou em leve alta, com os investidores permanecendo de lado à espera da reunião do G-7, que começa hoje em Marselha, na França. O índice S&P/ASX 200 subiu apenas 0,16% e terminou aos 4.194,70 pontos.

Em Manila, a Bolsa das Filipinas encerrou em ligeira baixa, com os investidores cuidadosos após a retração em Wall Street. O índice PSEi recuou 0,24% e fechou aos 4.346,07 pontos.

A Bolsa de Cingapura encerrou em baixa, com realizações de lucros em meio a preocupações sobre o crescimento da economia global e com os problemas das dívidas europeias. O índice Straits Times cedeu 1,1% e fechou aos 2.825,10 pontos, encerrando a semana em baixa de 0,6%.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, recuou 0,2% e fechou aos 3.998,50 pontos, também com realizações de lucros de investidores locais.

O índice Set da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, caiu 0,9% e fechou aos 1.062,37 pontos, igualmente por conta de realizações de lucros. Pressão foi maior nas principais ações de energia e de bancos.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, perdeu 0,1% e fechou aos 1.469,12 pontos, acompanhando as baixas na maioria dos mercados asiáticos, com o setor financeiro liderando o recuo. As informações são da Dow Jones.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame