MERCADOS

Bolsas de Nova York sobem, apesar de dados fracos dos EUA

PUBLICADO EM: 27.5.11 | 10H57
Nova York - As bolsas de Nova York abriram o dia em alta, mesmo com os dados de consumo e renda pessoal divulgados hoje nos Estados Unidos, que mostraram sinais de fraqueza na economia do país. Às 10h36 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,38%, o Nasdaq avançava 0,27%, e o S&P 500 […]
EXAME.com

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Nova York - As bolsas de Nova York abriram o dia em alta, mesmo com os dados de consumo e renda pessoal divulgados hoje nos Estados Unidos, que mostraram sinais de fraqueza na economia do país. Às 10h36 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,38%, o Nasdaq avançava 0,27%, e o S&P 500 tinha alta de 0,38%.

Nos EUA, os gastos com consumo cresceram menos do que o esperado. O país registrou alta de 0,4% em abril ante alta de 0,5% no dado revisado de março e previsão dos economistas de aumento também de 0,5%. Com ajuste pela inflação, os gastos cresceram apenas 0,1% pelo segundo mês consecutivo. Já a renda pessoal cresceu 0,4% pelo terceiro mês seguido, como era esperado.

Dados recentes sobre a economia norte-americana mostram sinais de desaceleração. Ontem, dados pouco animadores vieram com a segunda revisão do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre nos EUA, que cresceu 1,8%, abaixo da expectativa de alta de 2%. O número de pedidos de auxílio desemprego na semana passada subiu 10 mil, para 424 mil, resultado bem pior do que a queda de 4 mil solicitações esperada por analistas.

Para o economista Mark Zandi, da Moody's, esse movimento é temporário, mas a fraqueza da economia ainda deve se mostrar no relatório oficial do mercado de trabalho do país (payroll) de maio, que será divulgado na próxima sexta-feira. "A alta dos preços do petróleo foi um susto. Podemos ver isso nos números de gastos com consumo no primeiro trimestre e creio que os preços devem baixar", disse à rede de TV americana CNBC.

Na França, os chefes das oito nações mais industrializadas, o G-8, concluíram que a economia mundial está melhor e "mais sustentável". No entanto, eles reconheçam que desequilíbrios internos e externos seguem como preocupação.

Ainda nesta manhã nos EUA, será divulgado o índice de sentimento do consumidor em maio, da Universidade de Michigan. A expectativa é de que o índice fique em 72,4, o mesmo do resultado preliminar e acima dos 69,8 de abril. Na zona do euro, o índice de confiança do consumidor subiu de -11,6 em abril para -9,8 em maio.

No campo corporativo, a Marvell fez previsões melhores do que as do mercado para o balanço do segundo trimestre, ainda que a companhia tenha apresentado balanço abaixo das estimativas no primeiro trimestre. As ações da Tata Motors afundavam no pré-mercado nesta manhã, após a montadora, que é dona da Jaguar Land Rover, divulgar números decepcionantes de seus negócios na Índia. Por fim, o Google está sendo processado pelo site PayPal, do eBay, acusado de roubar tecnologia que permite pagamentos via celular.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame