Exame Invest
Mercados

Bolsas europeias abrem em alta com mineradoras impulsionando ações

PUBLICADO EM: 19.11.18 | 7H37
As mineradoras impulsionaram a maior parte dos ganhos na Europa
bolsa-europa-getty-images-jpg.jpg

Imagem de arquivo de Bolsa da Europa:

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Londres - As acções europeias começaram a semana com o pé direito, contra as expectativas antecipadas de uma queda, com sinais de um abrandamento nas tensões da guerra comercial EUA-China a impulsionarem as acções de mineração e tecnologia.

As mineradoras impulsionaram a maior parte dos ganhos na Europa, com o sector de recursos básicos a subir 1,2 pct e o de construção e materiais a subir 1 pct.

O cobre de Londres subiu depois do presidente dos EUA, Donald Trump, dizer que pode não impor mais tarifas aos produtos chineses, mas os ganhos foram limitados no meio de tensões entre as duas principais economias numa cimeira regional da AEPC.

O STOXX 600 pan-europeu sobe 0,6 pct, após três dias seguidos de perdas, com os mineiros e as acções de cuidados de saúde a obterem os melhores desempenhos, enquanto o sector de tecnologia também beneficiou de um abrandamento da guerra comercial.

Com a temporada de resultados a terminar, questões de gestão, notas de corretagem e fusões e aquisições foram os principais impulsionadores do mercado.

As acções da Novo Nordisk subiram 4,6 pct, entre os principais ganhadores do STOXX, depois do JP Morgan elevar a empresa farmacêutica para "overweight".

As acções da Renault caíram 3,9 pct, a maior queda do STOXX 600, já que o jornal japonês Asahi noticiou que o presidente da Nissan, Carlos Ghosn, deve ser preso por supostas violações financeiras.

As acções da Telecom Italia subiram 2,9 pct, depois da maior empresa de telecomunicações da Itália ter indicado Luigi Gubitosi como seu novo CEO.

As acções da Salvatore Ferragamo caíram 3,7 pct, no fundo do índice FTSE MIB da Itália, depois de analistas do Bank of America Merrill Lynch cortaram as acções de luxo para "underperform" após uma viagem de quatro dias pela a China.

As acções da Swatch também perderam 2,7 pct depois que o BAML reduziu seu preço-alvo nas acções em 27 pct, dizendo que os retalhistas de relógios com quem eles falaram confirmaram uma desaceleração significativa nos últimos meses.

As acções do fabricante dos 'chips' AMS, STMicro e Siltronic, que são altamente sensíveis às notícias da guerra comercial, estão entre os maiores ganhadores, a subir de 2,9 a 4,7 pct.

Os ganhos ajudaram o sector a recuperar parte do terreno perdido na semana passada depois de uma série de alertas de lucros antes da crucial temporada de festas.

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame