Exame Invest
Mercados

Bovespa abre em leve queda de olho em Nova York

PUBLICADO EM: 4.9.12 | 10H36
A Europa traz certo pessimismo para os negócios, com a agência Moody's colocando a classificação de risco da União Europeia em perspectiva negativa
Bovespa 1

Pregão da Bovespa

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo - Na volta dos negócios em Nova York, após o feriado de segunda-feira, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) deve registrar liquidez maior e acompanhar de perto os índices americanos, pelo menos no início da sessão. A Europa traz certo pessimismo para os negócios, com a agência Moody's colocando a classificação de risco da União Europeia em perspectiva negativa.

Às 10h12 (horário de Brasília), o Ibovespa à vista recuava 0,43%, aos 57.037 pontos. Em Nova York, o S&P futuro tinha baixa de 0,10% e o Nasdaq futuro caía 0,12%. Na Europa, onde os índices à vista já operavam, Londres caía 0,91%, Paris recuava 0,65% e Frankfurt tinha baixa de 0,39%. Em Madri, o Ibex35 subia 1,35%, enquanto em Milão a bolsa avançava 0,56%, ecoando comentários do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, de que a instituição estaria disposta a comprar bônus soberanos com vencimento de dois e três anos no mercado secundário.

"A Bovespa hoje vai ficar em cima do exterior. As chamadas de baixa na Europa podem prejudicar a Bolsa de novo, mas a gente vai ficar de olho no que acontece nos Estados Unidos", comentou um operador ouvido pela Agência Estado. Segundo ele, o mercado também aguarda a quinta-feira, quando o Banco Central Europeu (BCE) divulga sua decisão de política monetária. A expectativa é de que surjam medidas concretas para impulsionar as economias em dificuldades na Europa, o que se refletiria nos mercados globais de ações.

Por enquanto, a Moody's colocou o rating Aaa da União Europeia em perspectiva negativa, para refletir as ações que a agência vem tomando em relação a alguns dos maiores países da região, incluindo Alemanha e Holanda. "A Moody's acredita que é razoável assumir que o valor de crédito da UE deve se mover em linha com o valor de crédito de seus Estados mais fortes, considerando as significativas ligações entre a União Europeia e seus membros", afirmou a agência em comunicado. Cerca de 45% do orçamento anual da UE sai de contribuições feitas por países com rating Aaa, como Alemanha, França, Reino Unido e Holanda. Em julho, a Moody's colocou os ratings da Alemanha e da Holanda em perspectiva negativa.

Mais cedo, a Espanha informou que os pedidos de seguro-desemprego no país subiram 0,8% em agosto, no ritmo mais lento em seis anos. A notícia, juntamente com os comentários de Draghi, não foi suficiente para conduzir os índices de Londres, Paris e Frankfurt para o território positivo, mas Espanha e Itália sustentam ganhos.

Ao longo do dia, o mercado também acompanha os indicadores previstos nos Estados Unidos. Nesta terça-feira saem o índice de atividade industrial ISM (gerentes de compras) de agosto e os dados de investimentos em construção em julho.

No campo corporativo, a Vale informou há pouco ter constituído provisão de R$ 1,1 bilhão para cobrança da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM), conhecida como os royalties da mineração. A empresa alterou para provável o prognóstico de perda da tese de dedução de transporte da base de cálculo da CFEM, e o montante soma-se ao anteriormente provisionado, de R$ 314 milhões, constante nas demonstrações contábeis de 30 de junho de 2012.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame