Exame Invest
Mercados

CÂMBIO-Dólar opera em queda com algumas entradas e exterior

PUBLICADO EM: 21.12.10 | 10H29
SÃO PAULO, 21 de dezembro (Reuters) - O dólar operava em queda nesta terça-feira, em outra sessão marcada por fraco volume de negócios, refletindo entradas pontuais de recursos e o comportamento da moeda norte-americana nos mercados internacionais. Às 11h25, o dólar caía 0,53 por cento, a 1,699 real . Frente a uma cesta de moedas, […]
EXAME.com

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

SÃO PAULO, 21 de dezembro (Reuters) - O dólar operava em
queda nesta terça-feira, em outra sessão marcada por fraco
volume de negócios, refletindo entradas pontuais de recursos e
o comportamento da moeda norte-americana nos mercados
internacionais.

Às 11h25, o dólar caía 0,53 por cento, a 1,699 real .
Frente a uma cesta de moedas, o dólar exibia variação negativa
de 0,38 por cento . O euro valia 1,3185 dólar.

O volume de negócios também está mais fraco nos mercados
internacionais e o euro encontra espaço para se valorizar mesmo
após a Moody's alertar que pode cortar o rating A1 de Portugal
em um ou dois níveis, citando preocupações com a fraca
perspectiva de crescimento do país e os elevados custos de
empréstimo.

Segundo operadores no exterior, ainda que esses anúncios
abalem o otimismo dos investidores, eles não são considerados
uma surpresa, o que acaba contendo uma reação negativa
expressiva. Por aqui, a ausência de notícias que possam
influenciar o mercado de câmbio deixavam a cotação oscilando ao
sabor do fluxo de recursos.

"Todo mundo está encerrando o que tem para fazer no ano. Se
não acontecer nada novo em termos macroeconômicos, como algum
anúncio ou comentário (de autoridade), a tendência é ficar
nesse nível", explicou Miriam Tavares, diretora de câmbio da
corretora AGK.

O operador José Carlos Amado, da corretora Renascença,
afirmou que ainda há entradas pontuais de recursos, que
colaboram para a tendência de queda da moeda.

O volume menor de negócios calibrava a volatilidade nas
cotações. "Com o volume mais fraco, qualquer remessa ou entrada
de recursos um pouco maior tende a causar impacto", disse
Miriam Tavares.

(Por Nathália Ferreira; Edição de Aluísio Alves)

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame