MERCADOS

Corrida ao mercado acionário chinês alimenta risco de bolha

PUBLICADO EM: 7.7.20 | 11H25
O índice CSI 300 subiu 14% em cinco dias, o maior ganho desde dezembro daquele ano
Rua em Xangai

Mercado acionário: juros baixos e as primeiras perdas de alguns produtos populares de gestão de patrimônio têm atraído investidores de varejo

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

As fortes oscilações das ações chinesas na semana passada remetem a comparações com a bolha que estourou há cinco anos. De muitas maneiras, o ritmo de ganhos coincide com o derretimento do mercado que começou nas últimas semanas de 2014.

O índice CSI 300 subiu 14% em cinco dias, o maior ganho desde dezembro daquele ano. Um indicador de momentum do CSI 300 também está no maior nível desde o final de 2014. Ações de corretoras dispararam: o volume negociado ultrapassou 1,5 trilhão de yuans (US$ 213 bilhões) pela primeira vez desde 2015, indicando maior participação de investidores de varejo. O ganho de mais de 5% da bolsa na segunda-feira só havia sido registrado uma vez desde o estouro da bolha.

Juros baixos e as primeiras perdas de alguns produtos populares de gestão de patrimônio têm atraído investidores de varejo para o mercado acionário da China. O avanço também é impulsionado por um coro entusiasmado da influente mídia estatal do país. Um editorial de primeira página no China Securities Journal na segunda-feira disse que promover um mercado altista “saudável” após a pandemia é agora mais importante para a economia do que nunca. As buscas nas redes sociais chinesas de termos como “abrir uma conta de ações" dispararam, e o otimismo também impulsiona o yuan.

Mas existem diferenças importantes entre o momento atual e 2014 - incluindo um ponto de partida mais baixo para os valuations das ações. E, embora mais operadores estejam assumindo dívidas para comprar ações, a alavancagem no mercado acionário é cerca da metade do nível no pico há cinco anos. Desta vez, o banco central adotou uma abordagem cautelosa em relação à liquidez, retirando fundos do sistema financeiro pelo sétimo dia na segunda-feira.

Dai Ming, gestor da Hengsheng Asset Management em Xangai, que tem comprado ações do setor imobiliário, acha improvável um estouro da bolha semelhante ao de 2014 e 2015. “O mercado não está repleto de dinheiro em todos os lugares como da última vez. Pequim ainda é muito prudente com a política monetária.”

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame