Exame Invest
Mercados

Crescem posições vendidas em dólar com déficit em conta corrente

PUBLICADO EM: 21.12.10 | 6H21
Existe um receio crescente de que o real, o rand sul- africano e o dólar australiano - as moedas de melhor desempenho nos últimos dois anos - desvalorizem-se em 2011
Túnel de notas de dólar

Número de contratos futuros negociados na BM&FBovespa que apostam na alta da moeda brasileira caiu 77% desde outubro, para 51.161

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo - O recorde no déficit em transações correntes está levando investidores estrangeiros a reduzirem apostas na valorização do real no ritmo mais rápido em sete meses.

O número de contratos futuros negociados na BM&FBovespa SA que apostam na alta da moeda brasileira caiu 77 por cento desde outubro, para 51.161. É a maior queda para um período de dois meses desde maio. O dólar passou de R$ 1,90 em maio pela primeira vez em oito meses.

Existe um receio crescente de que o real, o rand sul- africano e o dólar australiano - as moedas de melhor desempenho nos últimos dois anos - estejam fadados à forte desvalorização em 2011 porque o aumento das importações desses países vai levar a maiores déficits em transações correntes. No Brasil, o déficit provavelmente subiu para US$ 4,6 bilhões em novembro, o que elevaria o saldo negativo acumulado no ano para US$ 49 bilhões, de acordo com a estimativa mediana de 23 economistas sondados pela Bloomberg. O governo divulga o relatório às 10h30.

“O aumento no déficit em transações correntes vai pesar sobre a moeda no médio prazo”, disse Nick Chamie, diretor mundial para mercados emergentes do RBC Capital Markets em Toronto, em entrevista por telefone. “Eu não aconselharia as pessoas a elevarem significativamente suas posições em carteira ou a aumentarem a exposição nos níveis atuais.”

O dólar vai subir de R$ 1,71 ontem para R$ 1,72 até o fim de 2011, segundo a estimativa mediana de 17 analistas ouvidos pela Bloomberg. Em outubro, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, triplicou o Imposto sobre Operações Financeiras em aplicações de estrangeiros em renda fixa para 6 por cento depois que o dólar caiu para R$ 1,65, o menor nível em mais de dois anos. Mantega disse em 9 de dezembro que o governo está pronto para tomar novas medidas para evitar a valorização do real.

Diferencial de taxas

Investidores despejaram dinheiro em títulos de renda fixa brasileiros este ano depois que os juros próximos de zero nos Estados Unidos e Europa alimentaram a busca por ativos de maior rentabilidade. As Notas do Tesouro Nacional série F com vencimento em 2021 rendem 912 pontos-base, ou 9,12 pontos percentuais, a mais do que os títulos de prazo semelhante do governo americano.

As aplicações de estrangeiros em bônus brasileiros subiram para US$ 14,8 bilhões nos 12 meses até outubro, contra US$ 8,3 bilhões no mesmo período do ano passado. Os investimentos estrangeiros em ações do País aumentaram de US$ 31,7 bilhões para US$ 33,7 bilhões no mesmo período.

A dependência cada vez maior do Brasil de fluxos especulativos de curto prazo para ações e renda fixa para financiar seu rombo nas transações correntes pode levar o governo a tomar novas medidas para conter a entrada desse tipo de capital, de acordo com Enestor dos Santos, economista-chefe do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria SA, segundo maior banco da Espanha.

“Quanto mais você depende de financiamento internacional, mais você fica exposto a flutuações no humor do mercado internacional”, disse Santos numa entrevista por telefone de Madri. “Então você tem mais volatilidade.”

O déficit nas transações correntes brasileiras acumulado em 12 meses equivale a 2,4 por cento do Produto Interno Bruto, a segunda taxa mais elevada entre sete maiores países latino- americanos, ficando somente atrás da Colômbia. Na África do Sul, o déficit equivale a 4,3 por cento do PIB e na Austrália, a 2,4 por cento, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. O déficit brasileiro vai crescer para 3,2 por cento do PIB até 2011, segundo pesquisa da Bloomberg.

O governo deve aumentar a intervenção para enfraquecer o real e proteger os exportadores com a expansão do déficit para 3 por cento do PIB no ano que vem, disse Santos.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame