Exame Invest
Mercados

Dólar abre em alta com aversão ao risco no exterior

PUBLICADO EM: 23.4.12 | 11H08
Trajetória semelhante da moeda norte-americana é registrada na abertura dos negócios domésticos
Dólares em notas embaixo de uma moeda de libra

O dólar comercial abriu em alta de 0,64% a R$ 1,8850

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo - A aversão ao risco tem elevação nos mercados externos nesta manhã, com a Holanda entrando em foco - após o fracasso das negociações para corte no orçamento - e também preocupação com dados fracos de atividade na zona do euro e na China. Na França, há avanço de yields em reação ao primeiro turno das eleições presidenciais. Diante da deterioração do sentimento dos investidores, o dólar avança ante grande parte de seus pares no ambiente externo. Trajetória semelhante da moeda norte-americana é registrada na abertura dos negócios domésticos. O dólar comercial abriu em alta de 0,64% a R$ 1,8850.

Na sexta-feira, o Banco Central retornou ao mercado fazendo leilão de compra de dólar à vista com taxa de corte de R$ 1,8710, enquanto a moeda estava em R$ 1,8670, com queda de 1,01%. Após o leilão, a cotação do dólar rumou para o mesmo nível da taxa de corte anunciada. Estrategistas ponderam que a intervenção confirma a percepção de que o BC continuará atuante para manter o dólar em torno de patamares considerados adequados pela autoridade monetária.

Hoje, a pesquisa Focus, apurada pelo BC, mostra que as projeções do mercado financeiro para o câmbio seguem em R$ 1,80 no fim de 2012 e fim de 2013. As projeções para o câmbio médio em 2012 permanecem em R$ 1,79, enquanto para o câmbio médio em 2013 sobem de R$ 1,79 para R$ 1,80.

No exterior, os yields dos bônus da França, Holanda, Itália e Espanha avançam. O PMI composto da zona do euro registrou a maior contração desde novembro, com enfraquecimento tanto na área da indústria quanto de serviços em abril em comparação ao mês anterior. Na China, o PMI teve melhora em abril, ante o número em março. Mas, tanto na zona do euro quanto na China, o PMI permanece abaixo da marca de 50 pontos, que separa expansão e contração na indústria.

Na França, Nicolas Sarkozy e Francois Hollande foram para o segundo turno, conforme o esperado. Um estrategista europeu comenta que os dois candidatos estão comprometidos com a redução do déficit do país, mas a plataforma de Hollande inclui propostas que podem ser perturbadoras ao mercado financeiro, como o direito de aposentadoria aos 60 anos para aqueles que trabalharam por 41 anos e elevação do imposto para indivíduos de maior renda.

No fim de semana, o Fundo Monetário Internacional (FMI) recebeu o comprometimento de seus membros com mais de US$ 430 bilhões para aumentar os recursos do Fundo contra crises. "Por enquanto, a atenção dos investidores está mais voltada para entender se mais países da zona do euro vão precisar de financiamento externo", cita um analista.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame