Exame Invest
Mercados

Dólar sobe para R$ 5,45 com “debandada” da equipe de Guedes

PUBLICADO EM: 12.8.20 | 17H00
ATUALIZAÇÃO: 12.8.20 | 17H38
Mercado repercute negativamente os pedidos de demissão de Salim Mattar e Paulo Uebel e especula saída do ministro da Economia
Dólar

Dólar: saída de secretário de Privatizações pode mitigar entrada de moeda americana no país (Getty Images)

Imagem da Editoria Exame Invest
Victor Sena

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O dólar fechou em alta nesta quarta-feira, 12, após o secretário especial de Desestatização e Privatização, Salim Mattar, e o de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, deixarem o governo. O dólar comercial subiu 0,7% e encerrou sendo vendido por 5,453 reais. Com variação semelhante, o dólar turismo fechou cotado a 5,76 reais.

O pedido de demissão de Mattar e Uebel ocorre pouco após a saída de Mansueto Almeida do Tesouro Nacional, Caio Megale da direção de programas da Secretaria Especial da Fazenda e de Rubem Novaes da presidência do Banco do Brasil. O ministro da Economia, Paulo Guedes, já fala em “debandada” da equipe econômica.

Com cinco baixas no primeiro escalão econômico do governo, o mercado teme que o próximo seja Paulo Guedes. “Há o receio de que o principal ator dessa equipe possa sair. Isso causa um viés de proteção em dólar”, comenta Jefferson Ruik, diretor de câmbio da Correparti.

Segundo Ruik, sem Mattar à frente das privatizações, cresce o risco de elas não avançarem, o que pode mitigar a entrada de dólar no país.

O mercado também teme a saída do próprio ministro da Economia. "Na fala de Guedes foi visível o tom de desabafo. Ele, inclusive explicitou que a saída do membros da equipe foi por falta de avanço na agenda econômica. Então, ele mesmo pode ser o próximo a entregar o boné", afirma Fernando Bergallo, presidente da FB Capital.

No exterior, o mercado de câmbio opera misto, com o dólar se valorizando contra o rublo russo e a lira turca, mas perdendo força contra o peso mexicano. Contra pares desenvolvidos, a moeda americana tem perdas.

Imagem da Editoria Exame Invest
Victor Sena

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame