Exame Invest
Mercados

Dólar cai 1% ante real após dado dos EUA, de olho em Fed

PUBLICADO EM: 6.5.15 | 11H07
Às 9h53, a moeda norte-americana caía 1,14 por cento, a 3,0342 reais na venda, após recuar 0,39 por cento na véspera
Dólar

Dólar: o indicador tirou força da escalada dos rendimentos dos títulos públicos globais, como os dos Estados Unidos e da Alemanha

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo - O dólar recuava cerca de 1 por cento ante o real nesta quarta-feira, dando continuidade ao recuo da sessão passada em linha com os mercados externos e reagindo a números mais fracos que o esperado sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos.

Às 9h53, a moeda norte-americana caía 1,14 por cento, a 3,0342 reais na venda, após recuar 0,39 por cento na véspera. O primeiro contrato do dólar futuro, que já havia ampliado as perdas após o fechamento do mercado à vista na sessão passada, perdia 0,63 por cento.

O setor privado dos Estados Unidos gerou 169 mil vagas de trabalho no mês passado, menor número desde janeiro de 2014 e muito abaixo das expectativas de analistas.

O indicador tirou força da escalada dos rendimentos dos títulos públicos globais, como os dos Estados Unidos e da Alemanha, que vinha diminuindo a atratividade de ativos de mercados emergentes. Investidores têm mostrado dúvidas sobre quando o Federal Reserve pretende elevar os juros.

"Tivemos números fracos (sobre os EUA) no primeiro trimestre e uma leva de números fortes mais atuais. Então a dúvida é se a fraqueza do começo do ano vai se estender ou não", disse o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

No cenário doméstico, investidores monitoravam o processo de aprovação no Congresso das medidas relativas ao ajuste fiscal conduzido pelo governo federal, que sofreu novos entraves na véspera.

Nesta manhã, o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), afirmou que o partido não votará nesta quarta-feira a medida provisória 665, que trata de direitos trabalhistas como o seguro-desemprego.

De maneira geral, no entanto, analistas acreditam que, mesmo com os impasses parlamentares, o governo conseguirá realizar um ajuste fiscal relevante em 2015.

"Problemas no Congresso não vão minar o ajuste fiscal neste ano - a desaceleração econômica é um fator muito mais relevante - mas o risco de descarrilamento devido a fatores políticos será maior em 2016, particularmente se a economia não se recuperar rapidamente o suficiente para promover um aumento na receita", escreveram analistas do Eurasia Group em relatório.

O mercado também avalia o impacto da menor presença do Banco Central no mercado de câmbio, com o fim de seu programa de intervenção diárias e a menor rolagem de swaps cambiais neste mês.

Nesta manhã, o BC dará continuidade à rolagem dos swaps cambiais que vencem em junho, com oferta de até 8,1 mil contratos.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame