Dólar cai e volta a R$ 3,30, mas cautela com política continua | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

Dólar cai e volta a R$ 3,30, mas cautela com política continua

PUBLICADO EM: 28.6.17 | 11H16
Às 10:33, a moeda americana recuava 0,49 por cento, a 3,3024 reais na venda, depois de subir 0,51 por cento na véspera
Notas de dólar - dinheiro

Banco Central realizará nesta sessão mais um leilão de até 8,2 mil swaps cambiais tradicionais

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo - O dólar operava em queda ante o real e de volta ao patamar de 3,30 reais nesta quarta-feira, acompanhando o cenário externo, mas com a cautela ainda imperando entre os investidores diante da cena política doméstica.

Às 10:33, o dólar recuava 0,49 por cento, a 3,3024 reais na venda, depois de subir 0,51 por cento na véspera. O dólar futuro tinha baixa de cerca de 0,35 por cento.

A moeda norte-americana recuava frente a moedas de países emergentes, como os pesos mexicano e chileno, influenciado pelo fracasso dos republicanos em aprovar a reforma da saúde nos Estados Unidos, prejudicando ainda mais a crença nas promessas do presidente Donald Trump para sustentar o crescimento.

O dólar também tinha leve queda frente a uma cesta de moedas após indicações do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, de que as autoridades estão prontas para começar a retirar o estímulo emergencial para a economia que dominou as decisões de política monetária por quase uma década.

Internamente, o mercado continuava atento à crise política, com temores de que o andamento das reformas no Congresso Nacional seja prejudicado. Um teste de fogo nesta sessão será a votação da reforma trabalhista na Comissão de Constitução e Justiça (CCJ) do Senado.

"Se o texto não passar na CCJ, será bastante negativo, mostrará a dificuldade do governo em agregar a base", afirmou o sócio da assessoria de investimentos Criteria Investimentos, Vitor Miziara.

Na semana passada, o governo surpreendentemente foi derrotado na votação da matéria da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, demonstração de menor força política do presidente Michel Temer.

Temer foi denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pelo crime de corrupção passiva e pode fazer novas denúncias, já que o presidente também é investigado por crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa.

A crise política acabou alimentando temores de que as reformas trabalhista e da Previdência podem ficar ainda mais difíceis de ser aprovadas por completo.

"O fatiamento das denúncias pelo procurador-geral diminuiu as chances delas (reformas) serem aprovadas. A expectativa, no entanto, é de que elas ainda passarão", afirmou o operador da Ourominas Corretora Maurício Gaioti.

O Banco Central realizará nesta sessão mais um leilão de até 8,2 mil swaps cambiais tradicionais --equivalentes à venda futura de dólares-- para rolagem dos contratos que vencem julho.


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame