Exame Invest
Mercados

Dólar deve se acomodar ante real, mas sobe ano que vem

PUBLICADO EM: 4.9.13 | 11H30
Moeda deve se se acomodar nos próximos três meses ante o real, com uma ligeira tendência de queda em meio ao programa de intervenções do Banco Central
Câmbio: homem segura notas de dólar e real

Câmbio: pesquisa com 33 bancos e consultorias sugere que a moeda brasileira, uma das mais desvalorizadas nos últimos meses no mundo, deve encontrar um pouco de sossego

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo - O dólar deve se se acomodar nos próximos três meses ante o real, com uma ligeira tendência de queda em meio ao programa de intervenções do Banco Central, mostrou uma pesquisa da Reuters.

A pesquisa com 33 bancos e consultorias sugere que a moeda brasileira, uma das mais desvalorizadas nos últimos meses no mundo, deve encontrar um pouco de sossego justo no momento em que o Federal Reserve pode iniciar a redução do estímulo econômico nos Estados Unidos.

O dólar deve ser cotado a 2,35 reais no final de novembro, um pouco mais baixo do que o fechamento de terça-feira em torno de 2,36 reais, de acordo com a mediana das projeções.

O dólar subiu mais de 20 por cento entre maio e meados de agosto, ameaçando a inflação e fazendo o Banco Central anunciar um programa de intervenções cambiais com derivativos e operações de recompra de até 60 bilhões de dólares até o fim do ano.

Após o anúncio, o dólar caiu cerca de 4 por cento no Brasil.

Com isso, o real teve um desempenho melhor que de outras moedas emergentes nas últimas semanas, como a rúpia indiana.

Apesar da perspectiva mais calma para os próximos meses, a pesquisa não sugere que o pior já passou. Analistas listaram vários riscos, como a piora do conflito na Síria e um possível rebaixamento da nota do Brasil no ano que vem como eventos que não estão considerados nas projeções e que podem provocar uma alta repentina da moeda norte-americana.

Mesmo sem nenhuma surpresa ruim, o dólar deve voltar a subir após novembro, atingindo 2,40 por dólar nos próximos 12 meses com a perspectiva de uma política monetária mais apertada nos Estados Unidos.


"Essa depreciação gradual do real deve seguir o movimento do dólar frente a outras moedas," disse Mauricio Nakahodo, consultor de pesquisas econômicas do Bank of Tokyo Mitsubishi.

"A partir do segundo semestre do próximo ano vai ter a expectativa da elevação do juro nos Estados Unidos, possivelmente em 2015." Mesmo que o Fed não comece a reduzir o estímulo econômico em setembro como esperado pela maioria dos economistas, as moedas latino-americanas não devem se beneficiar muito, de acordo com Luciano Rostagno, estrategista-chefe do Banco Mizuho.

"Se não começar o ajuste agora deve sinalizar chance grande de começar a acontecer em outubro. E também, quanto mais tarde ele começar, mais rápido deve ser o ajuste. Não tem tanta diferença se começa esse mês ou mês que vem." O peso mexicano deve ter um desempenho melhor que o real, valorizando-se gradualmente nos próximos meses até 12,60 por dólar, de acordo com a mediana de 13 projeções.

A moeda também caiu cerca de 10 por cento ante o dólar desde maio, mas deve se recuperar nos próximos meses com a perspectiva de maiores ingressos de recursos por causa de reformas estruturais e do crescimento mais acelerado dos Estados Unidos, que beneficia muitas indústrias mexicanas.

"O progresso na reforma do setor de energia pode levar a um aumento significativo dos fluxos de investimento estrangeiro direto", disseram analistas do Credit Suisse em nota.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame