Exame Invest
Mercados

Dólar em alta após Mantega sinalizar mudança no IOF

PUBLICADO EM: 13.6.12 | 17H42
No balcão, o dólar à vista fechou na máxima, com alta de 0,44%, a R$ 2,0720
Dólar

O PIB da primeira potência econômica mundial alcançou oficialmente os 15,09 trilhões de dólares em 2011

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

ão Paulo - O dólar encerrou esta quarta-feira em alta, em direção oposta ao movimento da divisa no exterior em grande parte do dia, com o mercado testando a tolerância do Banco Central em relação à valorização da moeda norte-americana e adicionando pressão para que o governo desfaça as medidas que contribuíram para o início da depreciação do real, principalmente a cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

Na sessão desta quarta-feira, para puxar a cotação do dólar, os agentes financeiros encontraram fôlego nas declarações do Ministro da Fazenda, Guido Mantega. Incertezas em relação à Grécia, com a proximidade das eleições no país, devem reforçar a valorização do dólar nos próximos dias, afirmaram estrategistas.

Em entrevista ao jornal O Globo, Mantega afirmou que, se houver agravamento da crise, o governo pode retirar algumas medidas adotadas quando o real estava se valorizando. O IOF sobre empréstimos no exterior com prazo inferior a cinco anos estaria no topo da lista.


No balcão, o dólar à vista fechou na máxima, com alta de 0,44%, a R$ 2,0720. Na mínima, o dólar foi a R$ 2,0540. Em grande parte do dia, a moeda norte-americana recuou ante moedas de importantes exportadores de commodities, mas também inverteu o sinal ao final da tarde em relação a estas divisas, ainda que tenha permanecido em declínio frente a uma cesta das principais moedas globais. Na BM&F, o dólar spot encerrou a R$ 2,0708, em avanço de 0,33%. O giro financeiro total somava US$ 1,659 bilhão perto das 16h30 (US$ 1,416 bilhão em D+2). Há pouco, o dólar para julho estava em R$ 2,076, com leve alta de 0,02%.

A moeda abriu em queda, em linha com o desempenho no exterior, mas inverteu sinal no início da tarde. Para agentes financeiros está mais do que na hora de desfazer as medidas que enfraqueceram o real. Um operador diz que o mercado está "chamando" o BC para a realização de swap cambial, que equivale à venda de dólares no mercado futuro. "Mais que isso, o BC tem reservas para atuar no à vista, e o mercado está pressionando para isso", afirmou.

Nesta quarta-feira dados do BC mostraram que o fluxo cambial ficou positivo em US$ 843 milhões em junho até o dia 8. A conta financeira foi responsável pela entrada líquida de US$ 1,127 bilhão nos primeiros dias deste mês. O segmento comercial teve saída de US$ 284 milhões. No acumulado de janeiro a 8 de junho, o fluxo cambial segue positivo em US$ 23,468 bilhões.

No exterior, dados da economia norte-americana sinalizam perspectiva mais enfraquecida para o crescimento dos Estados Unidos. Como resultado, o euro avançou ante o dólar. Estrategistas argumentam que há nervosismo no mercado internacional em relação às eleições na Grécia neste final de semana e o risco de uma saída desordenada da zona do euro. Por conta disso, volatilidade deve ser a tônica nos próximos dias.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame