Dólar renova mínima em 3 semanas; reforma dos militares ameniza queda | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

Dólar renova mínima em 3 semanas; reforma dos militares ameniza queda

PUBLICADO EM: 20.3.19 | 17H22
ATUALIZAÇÃO: 20.3.19 | 17H31
Moeda norte-americana caiu 0,61%; desaceleração no recuo ocorreu após governo divulgar previsão de economia de R$ 10 bi com Previdência para militares
Ilustração de notas de dólar

Dólar: moeda caiu e fechou a R$ 3,76

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O dólar fechou nesta quarta-feira no menor nível desde o fim de fevereiro, diante do tom "dovish" do banco central norte-americano, que abandonou o cenário de altas de juros nos EUA neste ano.

O dólar à vista fechou em queda de 0,61 por cento, a 3,7661 reais na venda. É o menor nível 28 de fevereiro, quando terminou a 3,7531 reais.

A moeda norte-americana ainda desacelerou a queda, após o governo brasileiro revelar previsão de ganho fiscal líquido de 10,45 bilhões de reais com mudanças nas regras previdenciárias para militares.

Na B3, a referência do dólar futuro cedia 0,57 por cento, para 3,7690 reais.

O Federal Reserve sinalizou que não promoverá mais altas de juros em 2019, afirmou que a desaceleração da redução de seu balanço começará em maio, classificou a inflação como "fraca" e rebaixou as estimativas de crescimento dos EUA, mas melhorou o cenário para o mercado de trabalho no longo prazo.

Para analistas, essa é a melhor combinação para emergentes, uma vez que traça um cenário de economia americana ainda firme, mas não a ponto de exigir altas de juros. Isso tende a aumentar a atratividade de ativos emergentes, o que explica a melhora de ativos de risco no mundo após a decisão do Fed.

Com a perspectiva de que os juros norte-americanos não subam neste ano, o diferencial de taxas entre Brasil e EUA deve parar de cair, evitando que a taxa de câmbio de equilíbrio se deprecie ainda mais. A expectativa também é que no Brasil o Copom evite novas quedas de juros neste ano.

O declínio da Selic desde outubro de 2016 --quando estava em 14,25 por cento ano-- até a mínima de 6,5 por cento é citado por especialistas como relevante na queda do real, que desde então recuou 15,9 por cento ante o dólar em termos nominais.


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame