Exame Invest
Mercados

Dólar sobe 1,5% após Dilma ampliar vantagem em pesquisas

PUBLICADO EM: 1.10.14 | 17H54
Moeda subiu para o maior nível em quase seis anos após Ibope e Datafolha mostrarem que a presidente mantém liderança firme nas eleições
Pessoa troca notas de real por notas de dólar em casa de câmbio

Câmbio: moeda norte-americana encerrou em 2,4848 reais na venda

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo - O dólar subiu 1,5 por cento ante o real nesta quarta-feira para o maior nível em quase seis anos após pesquisas eleitorais do Ibope e do Datafolha mostrarem que a presidente Dilma Rousseff (PT), cuja política econômica é alvo de críticas nos mercados financeiros, mantém liderança firme na corrida presidencial.

A moeda norte-americana encerrou em 2,4848 reais na venda, renovando a máxima atingida pela última vez em dezembro de 2008. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,6 bilhão de dólares.

"O mercado não está mais se baseando em fluxo, só em notícias sobre as eleições", afirmou o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira.

Dilma ampliou a liderança nas intenções de voto no primeiro turno e continua mostrando vantagem na segunda rodada, segundo os dois levantamentos eleitorais.

Já a diferença entre os rivais Marina Silva (PSB) e Aécio Neves (PSDB) diminuiu, tornando cada vez mais incerto quem disputará o segundo turno contra a atual presidente.

O avanço recente das intenções de voto para Dilma ajudou a moeda norte-americana a registrar em setembro a maior alta mensal em três anos, alimentando preocupações inflacionárias decorrentes do aumento dos preços de importados.

O ritmo acelerado de alta do dólar tem preocupado os agentes econômicos. Segundo analistas, vem crescendo a demanda por proteção cambial, o que, por sua vez, pressiona ainda mais as cotações da moeda norte-americana.

"Quando o câmbio tem momentos de tensão sustentada, como está acontecendo agora, muita gente fica com medo de não ter se protegido o suficiente e vai ao mercado com isso na cabeça", disse o gerente de derivativos de um banco internacional.

A cena eleitoral também se traduziu em maior incerteza sobre o comportamento do dólar frente ao real nos próximos meses. Pesquisa da Reuters publicada mais cedo mostrou que as projeções se espalharam muito mais, com o cenário mais pessimista projetando o dólar a 2,90 reais daqui a um ano, enquanto o mais otimista vê a moeda em a 2,27 reais.

Na véspera, o Banco Central reagiu à pressão no câmbio anunciando já para o primeiro pregão do mês o início da rolagem do lote de swaps cambiais que vencem em novembro, sinalizando a rolagem total destes contratos, que oferecem aos investidores proteção contra futuras altas da moeda norte-americana.

Mas, segundo analistas, esse movimento não é suficiente para apaziguar o nervosismo, além de já ser esperado pelo mercado.

"O BC tem dosado as rolagens de acordo com a volatilidade do mercado, então é razoável esperar que, num momento de nervosismo, a rolagem seja integral", disse o operador de câmbio da corretora B&T Marcos Trabbold.

O BC vendeu nesta sessão a oferta total de até 8 mil swaps para rolagem dos contratos de novembro. Com isso, rolou cerca de 4,5 por cento do lote total, equivalente a 8,84 bilhões de dólares.

Pela manhã, o BC também deu continuidade às intervenções diárias no mercado de câmbio, vendendo a oferta total de até 4 mil swaps, com volume correspondente a 197,0 milhões de dólares. Foram vendidos 500 contratos para 1º de junho e 3,5 mil para 1º de setembro de 2015.

Texto atualizado às 17h53min do mesmo dia com mais informações.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame