Exame Invest
MERCADOS

Dólar sobe e se aproxima dos R$ 3,90 acompanhando exterior

PUBLICADO EM: 21.12.18 | 17H29
ATUALIZAÇÃO: 21.12.18 | 17H56
Moeda norte-americana avançou 1,15%, a R$ 3,8965 na venda
Dólar

Dólar: investidores buscaram a segurança da divisa diante da possibilidade de uma paralisação do governo dos EUA (LightRocket via Getty Images)

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo - O dólar terminou a sexta-feira em alta, pressionado pelo menor apetite por risco de investidores no exterior diante da possibilidade de uma paralisação parcial do governo norte-americano, mas acumulou leve queda na semana marcada por três atuações do Banco Central no mercado de câmbio.

No dia, o dólar avançou 1,15 por cento, a 3,8965 reais na venda, sob influência direta do exterior onde as bolsas de valores recuaram e investidores compravam títulos do Tesouro dos EUA em meio à disputa entre o presidente Donald Trump e republicanos, de um lado, e democratas, do outro, sobre dinheiro para construção de um muro na fronteira com o México.

Na mínima do dia, o dólar foi a 3,8443 reais e na máxima, a 3,9005 reais.

A moeda norte-americana recuou 0,21 por cento ante o real na última semana antes do Natal, após sete semanas consecutivas de altas embaladas por preocupações econômicas e geopolíticas no exterior, desde as negociações do Brexit e Orçamento da Itália à guerra comercial EUA-China.

Foi nesta semana que o Banco Central realizou três leilões de venda de dólares com compromisso de recompra da moeda, de um total de cinco feitos em dezembro, com o objetivo de fornecer liquidez ao mercado durante o período de fim de ano, totalizando a oferta de 3 bilhões de dólares.

"Com o BC entrando com leilão de linha novamente e estabelecendo teto para o dólar por aqui, a tendência é não estourar para cima", disse Ricardo Gomes da Silva Filho, operador de câmbio da Correparti Corretora.

"O dólar lá fora está bem forte, mais forte do que ontem, e o dólar aqui responde à pressão."

O financiamento de agências governamentais dos Estados Unidos corre o risco de ser interrompido por uma disputa orçamentária envolvendo o presidente Donald Trump e republicanos da Câmara dos Deputados contra democratas devido à aprovação de recursos para construção de um muro na fronteira com o México.

Nesta sexta-feira, o BC realizou mais um leilão de venda de dólares com compromisso de recompra, no valor de 1 bilhão de dólares, com o objetivo de prover liquidez aos agentes durante tradicional período de saída de recursos do país no fim do ano.

A autoridade monetária fez também nesta sessão o último leilão de swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, vendendo integralmente a oferta de 13,835 mil contratos e rolando integralmente o total de 10,373 bilhões de dólares que vencem em janeiro.

No exterior, o índice do dólar contra a cesta de seis outras principais divisas globais avançava. A moeda norte-americana também ganhava força contra divisas emergentes como o peso mexicano e a lira turca.

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame