MERCADOS

Dólar recua monitorando Previdência e exterior

PUBLICADO EM: 12.3.19 | 9H15
ATUALIZAÇÃO: 12.3.19 | 12H23
Às 12:15, o dólar recuava 0,72 por cento, a 3,8142 reais na venda; na véspera, encerrou com queda de 0,73 por cento
dólar

Câmbio: dólar recuava ante o real nesta terça-feira

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo - O dólar recuava acentuadamente ante o real nesta terça-feira, tendo tocado 1 por cento de queda na mínima do dia, com a tramitação da reforma da Previdência no foco, tendo como pano de fundo maior apetite por risco no exterior.

Às 12:15, o dólar recuava 0,72 por cento, a 3,8142 reais na venda. Na véspera, encerrou com queda de 0,73 por cento, a 3,8418 reais na venda.

O dólar futuro caía 0,62 por cento.

"Deixadas de lado as polêmicas, o mercado volta a focar nas movimentações ligadas à Previdência, e isso tem permitido desde segunda-feira parte da devolução das pressões da última semana", afirmou o economista da Tendências Consultoria, Silvio Campos Neto.

Na semana passada, a moeda norte-americana acumulou alta de 2,38 por cento frente ao real.

Após iniciar a semana otimista sobre a reforma da Previdência, o mercado segue monitorando avanços na tramitação, com expectativa de que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara seja instalada na quarta-feira.

No entanto, a CCJ, primeiro colegiado que apreciará a proposta, só votará a reforma da Previdência depois que o governo enviar a proposta com as novas regras para aposentadoria de militares, informaram líderes na noite de segunda-feira.

O governo do presidente Jair Bolsonaro liberou o pagamento de 1 bilhão de reais em emendas parlamentares, fazendo um agrado a deputados que irão analisar em breve o projeto da Previdência, disse o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO).

O presidente, porém, negou que a liberação das emendas esteja ligada às negociações pela aprovação da reforma.

No exterior, há maior apetite por risco ligado a possíveis desdobramentos do Brexit no Reino Unido, com uma votação crucial do Parlamento marcada para esta noite, além de eventuais progressos nas negociações entre China e Estados Unidos.

A busca por risco também provoca uma desvalorização do dólar contra outras moedas em geral, com a divisa norte-americana operando em queda de 0,18 por cento frente a uma cesta de moedas.

Investidores também digeriam o aumento modesto dos preços ao consumidor dos Estados Unidos de fevereiro, embora tenha sido a primeiro alta em quatro meses.

"O índice de preços baixo alimenta esse sentimento de paciência do Fed com o processo de ajuste dos juros, dando espaço até para que surjam apostas mais agressivas de corte de juros", avaliou Campos Neto, referindo-se à postura do Federal Reserve, banco central norte-americano.

O Banco Central vendeu nesta sessão todos os 14,5 mil swaps cambiais tradicionais ofertados em leilão, equivalente à venda de dólar futuro. Assim, neste mês, já rolou 3,625 bilhões, cerca de um terço dos 12,321 bilhões que vencem em abril.

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame