Exame Invest
MERCADOS

É importante não voltar atrás em regulações bancárias, diz Yellen

PUBLICADO EM: 14.12.16 | 18H48
Yellen disse que o Fed discutiu os planos econômicos de Trump
Chair do Federal Reserve, o banco central norte-americano, Janet Yellen

Yellen: presidente do Fed disse também que "é importante aliviar a carga tributária de bancos pequenos"

Imagem da Editoria Exame Invest
Estadão Conteúdo



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo - A presidente do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA), Janet Yellen, disse que autoridades do Fed estiveram em contato com a equipe de transição do presidente eleito nos EUA, Donald Trump, mas não deu detalhes.

No entanto, sobre uma das propostas de Trump, de revogar a lei Dodd-Frank, Yellen afirmou que não quer ver uma reversão do regulamente financeiro.

"É importante aliviar a carga tributária de bancos pequenos", mas "é importante não voltar atrás em regulações sobre sistema financeiro pós-crise", disse Yellen durante entrevista coletiva, acrescentando que há consenso de que o conceito "[banco] grande demais para falir" tem que acabar.

A lei Dodd-Frank Act, estabelecida pelo Escritório de Proteção Financeira ao Consumidor - que visa proteger os consumidores de bancos grandes e não-regulados -, impôs restrições aos instrumentos financeiros conhecidos como derivativos e colocou restrições em grandes bancos, colocando freios no caso de apostas arriscadas com seu próprio dinheiro, entre outras coisas.

A lei iniciou após a crise de 2008, que teve origem no desregulado mercado financeiro dos EUA.

Yellen disse que o Fed discutiu os planos econômicos de Trump. "Eu resumiria simplesmente dizendo que todos os participantes do Fomc [Comitê Federal de Mercado Aberto] reconhecem que há uma incerteza considerável sobre como as políticas econômicas podem mudar, e que efeito elas terão sobre a economia", disse ela. Sobre Trump, no entanto, ela não fez comentários, dizendo que acredita fortemente na independência do Fed.

A presidente do Fed novamente disse que planeja cumprir seu mandato até o fim, mas reconheceu que não pode ser novamente indicada para continuar na presidência.

Imagem da Editoria Exame Invest
Estadão Conteúdo


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame