Exame Invest
MERCADOS

Economista-chefe do BCE pede demissão e mercados desabam

PUBLICADO EM: 9.9.11 | 16H16
Bolsas de Itália, Espanha e Alemanha fecharam em baixa superior a 4% após o anuncio da saída de Juergen Stark da instituição
Jurgen Stark, membro do conselho de administração do Banco Central europeu (BCE), em Atenas

Jurgen Stark era considerado um membro linha-dura da diretoria do BCE

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Frankfurt - O economista-chefe do Banco Central Europeu, Juergen Stark, pediu demissão de forma surpreendente nesta sexta-feira, levando o euro e os mercados de ações europeus a uma queda-livre, enquanto os temores sobre a crise da dívida aprofundaram-se.

Em um curto comunicado, o BCE informou que Stark, 63 anos, decidiu pedir demissão por "motivos pessoais" antes do fim de seu contrato, em maio de 2014.

O anúncio fez os mercados mergulharem, com o euro caindo abaixo de 1,37 dólar, pela primeira vez desde fevereiro.

Os mercados de ações da Europa também caíram, com o índice DAX 30 em Frankfurt perdendo mais de 4,4%; o CAC-40 de Paris, mais de 3,6%; o IBEX-35 em Madri, 4,4%; e o FTSE Mid Index em Milão, 4,9%.

Stark, que entrou no comitê executivo do banco em junho de 2006, "ficará em seu cargo até que um sucessor seja escolhido, o que ocorrerá, de acordo com os procedimentos previstos, até o fim deste ano", disse o BCE em comunicado.

Stark, um dos membros mais linha-dura do BCE, que recentemente foi apelidado de "Rottweiler" por um jornal grego, tem sido crítico ao controverso programa da instituição de comprar títulos de países - como a Grécia - que estão tendo dificuldades de se financiar pelos mercados.

O programa foi colocado em espera até o mês passado, quando, de acordo com a imprensa, tanto Stark como o presidente do Bundesbank, Jens Weidmann, votaram contra sua retomada.

Na quinta-feira, o presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, respondeu ao criticismo alemão em relação ao programa.

O banco só embarcou em tal plano "porque os governos em questão não se comportaram bem", disse o francês.

"Gostaria de ouvir algum elogio para uma instituição que ajudou a Alemanha a ter estabilidade de preços por quase 13 anos."

Mas o comunicado do BCE não mencionou tais divergências.

Em vez disso, afirma que Trichet agradeceu Stark "de coração aberto por sua ampla contribuição para a unidade europeia por muitos anos".

Trichet "expressou particular gratidão por sua dedicação excepcional e inabalável como membro do comitê executivo e conselheiro por mais de cinco anos".

Analistas, no entanto, sugerem que a saída de Stark pode apontar para divergências mais profundas entre as políticas da Zona Euro e da União Europeia sobre o caminho a tomar para resolver a crise da dívida, principalmente sendo esta a segunda renúncia alemã em Frankfurt nos últimos seis meses, depois que o presidente do Bundesbank, Axel Weber, saiu em fevereiro.

"Parece confirmar que há uma profunda divisão dentro da Comissão Europeia", afirma Holger Schmieding, economista-chefe do Berenberg Bank.

A demissão "alimentará a desconfiança nos mercados globais de que a Alemanha poderá eventualmente sair da união monetária. Caso isso aconteça, poderá exacerbar as tensões nos mercados por algum tempo", disse Schmieding.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame