Exame Invest
Mercados

Empresas e governos seguem com cerco ao coronavírus

PUBLICADO EM: 29.1.20 | 6H08
ATUALIZAÇÃO: 29.1.20 | 7H28
Dez cidades chinesas estão isoladas, a Starbucks fechou metade de suas 2 mil lojas na China e os EUA podem suspender voos para o país
coronavírus

Ruas vazias na China: alguns analistas calculam que o PIB do país pode encolher até 2 pontos percentuais

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo — Entre o pânico de segunda-feira, e a recuperação de ontem, que sentimento predominará entre os investidores nesta quarta-feira? Fato é que a epidemia de coronavírus segue avançando, enquanto os cálculos de impacto na economia global estão totalmente em aberto.

O número de vítimas fatais chegou a 130 na China, enquanto os casos suspeitos seguem se espalhando pelo mundo. Até a manhã desta quarta-feira são 132 mortes confirmadas, 125 delas na província de Hubei, epicentro da propagação. Já são mais de 6 mil casos confirmados, em 17 países.

No Brasil, há três suspeitos, segundo o Ministério da Saúde, em Belo Horizonte, Curitiba e Porto Alegre. O governo, seguindo recomendação da Organização Mundial de Saúde, recomendou que viagens para a China sejam feitas apenas em casos de extrema necessidade.

Para conter a propagação do vírus, governos e empresas privadas vêm tomando medidas mais duras nas últimas horas. Dez cidades chinesas estão isoladas. A rede de cafeterias Starbucks, um fenômeno na China, fechou metade de suas duas mil lojas no país. A Casa Branca anunciou que pode suspender todos os voos dos Estados Unidos para a China em meio às preocupações crescentes.

As bolsas globais perderam mais de 1,5 trilhão de dólares até segunda-feira, mas se recuperaram parcialmente ontem, dia de “correção” nos preços. O índice Ibovespa subiu 1,74%, depois de cair mais de 3% na véspera.

Na Europa e nos Estados Unidos os principais índices também subiram acima de 1%. “Como as bolsas estão nas máximas históricas, os investidores estão aproveitando o coronavírus para realizar lucro”, diz Pablo Spyer, diretor da Mirae Asset. Nesta quarta-feira a bolsa de Hong Kong voltou a cair forte (-2,82%), embora o índice do medo, o Vix, tenha voltado para a casa dos 15 pontos, sinal de um recuo na volatilidade prevista.

Analistas internacionais afirma que o presidente chinês Xi Jinping vive seu maior desafio político na gestão da crise. Segundo Sérgio Praça, cientista político da FGV e colunista de EXAME, a ditadura chinesa poderá controlar as informações aos cidadãos, mas sem correr o risco de perder reputação internacional.

Shang-Jin Wei, professor de economia na universidade americana Columbia, afirma que o alerta econômico global é compreensivo, mas segundo ele ainda é cedo para pânico.

Segundo seus cálculos, a economia chinesa deve encolher apenas 0,1% pelo coronavírus, uma vez que os problemas econômicos deste início de ano tendem a ser compensados com um impulso extra nos próximos trimestres. Mas alguns analistas calculam que o PIB do país pode encolher até 2 pontos percentuais — ou seja, uma incerteza total sobre o impacto econômico da epidemia.

Outro ponto de atenção nas mesas de negociação desta quarta-feira é o anúncio da nova taxa de juros dos Estados Unidos.

A expectativa é que o Fed, o banco central do país, mantenha a taxa no patamar de 1,5% a 1,75%, mas as atenções se voltarão em possíveis indicações de novos cortes com as crescentes incertezas da economia global.

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame