Exame Invest
MERCADOS

Entenda o que é follow-on

PUBLICADO EM: 27.8.17 | 6H00
ATUALIZAÇÃO: 30.7.19 | 15H47
Veja como funciona uma oferta subsequente de ações, quando uma empresa de capital aberto coloca à venda mais papéis
Bolsa de São Paulo

Imagem da Editoria Exame Invest
Rita Azevedo



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 1MIN

Follow-on ou oferta subsequente é o nome dado ao processo no qual uma empresa que já tem capital aberto e já emitiu ações volta ao mercado para ofertar mais papéis.

Assim como em um IPO, a distribuição das ações pode ser primária ou secundária.

Na primária, a companhia emite novas ações para vendê-las ao público, aumentando assim sua base acionária. No final da transação, o dinheiro vai para a própria empresa e pode ser utilizado, por exemplo, para o financiamento de projetos ou para a redução das dívidas.

Já na secundária, a companhia coloca à venda ações existentes — em geral, papéis de sócios que decidiram reduzir sua participação no negócio. Nesse caso, os recursos obtidos vão para o bolso dos acionistas que venderam os papéis e não para o caixa da empresa.

A oferta pode ser destinada ao público em geral ou exclusivamente para investidores profissionais. No primeiro caso, a companhia precisa cumprir regras referentes à divulgação e submeter o processo ao registro da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da bolsa brasileira.

No caso de investidores profissionais, o registro é dispensado. Nesse caso, segundo as regras da CVM, as ações devem ser oferecidas para, no máximo, 75 investidores profissionais e adquiridas por, no máximo, 50 deles.

Imagem da Editoria Exame Invest
Rita Azevedo


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame