Exame Invest
Mercados

Europa segue pressionando mercados; S&P eleva Brasil

PUBLICADO EM: 17.11.11 | 18H09
Incertezas da crise da dívida na zona do Euro impactam bolsas mundiais; no Brasil, estresse é aliviado pela elevação do rating soberano do país em um degrau
Ações

O BC também informou que o fluxo cambial ficou positivo em 1,3 bilhão de dólares na semana passada

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

São Paulo- As bolsas de valores globais tiveram mais um dia negativo nesta quinta-feira, ainda pressionadas pelas incertezas com relação à crise de dívida na zona do euro. A Espanha também acabou entrando no rol de países cujos custos de financiamento ameaçam alcançar níveis insustentáveis.

Na contramão, a agência de classificação risco Standard and Poor's anunciou antes do fechamento dos mercados a elevação do rating soberano do Brasil em um degrau, para "BBB", ante "BBB-", citando que o governo tem demonstrado compromisso de cumprir as metas fiscais. Em nota, o Ministério da Fazenda informou que é um reconhecimento de que a política econômica encontra-se na direção correta e de que são sólidos os fundamentos macroeconômicos do país.

Para analistas, a decisão não é exatamente uma surpresa, mas é importante, principalmente devido ao momento de estresse que os mercados financeiros vivem atualmente. No fronte externo, o governo espanhol vendeu 3,6 bilhões de euros em notas de dez anos, a um rendimento médio de 6,975 por cento, o maior desde 1997, ainda nos tempos da peseta, e perto do patamar de 7 por cento, que obrigou Grécia, Irlanda e Portugal a pedirem resgate financeiro.

A França também realizou um leilão de dívida pública, com alta nas taxas dos papéis de dois e quatro anos. Investidores temem que a segunda maior economia da zona do euro passe a integrar o centro da crise de dívida e perca seu rating máximo "AAA".


A promessa do novo premiê italiano, Mario Monti, de implementar mais reformas econômicas chegou a ajudar os mercados mais cedo, mas o alívio foi apenas temporário, em meio à falta de uma resolução clara para a crise.

A escalada da crise de dívida na zona do euro já teve impacto sobre a economia brasileira, conforme mostrou o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) divulgado nesta quinta-feira. O índice -considerado um sinalizador da atividade econômica- caiu 0,32 por cento no terceiro trimestre deste ano na comparação com o período imediatamente anterior.

Em setembro, o índice teve variação positiva de 0,02 por cento.

O BC também informou que o fluxo cambial ficou positivo em 1,3 bilhão de dólares na semana passada, com o superávit no mês somando 1,264 bilhão de dólares. O dólar fechou em alta ante o real, reagindo à aversão a risco externa, num dia de expressiva queda nas bolsas de valores em Nova York. A Bovespa acompanhou Wall Street e tombou quase 3 por cento, pressionada pelas blue chips, que seguiram a forte baixa nos preços das matérias-primas

A debilidade nos mercados internacionais amparou nova queda nos contratos de juros futuros, especialmente nos da parte longa da curva, mais sensíveis às perspectivas para a economia globais.

Em âmbito interno, investidores vão conhecer na sexta-feira os dados da arrecadação federal de outubro. A segunda prévia de novembro da inflação em São Paulo e a leitura de novembro do Índice Geral de Preços-10 também estão na pauta.


Nos Estados Unidos, o mercado aguarda a divulgação do índice de indicadores antecedentes de outubro, enquanto na Alemanha o destaque é o índice de preços no atacado referente ao mês passado.

Veja o fechamento dos principais mercados nesta quinta-feira:

Câmbio - O dólar terminou a 1,7802 real, em alta de 0,76 por cento frente ao fechamento anterior.

Bovespa - O Ibovespa caiu 2,68 por cento, para 56.988 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 6,92 bilhões de reais.

ADRs brasileiros - Às 18h42, o índice dos principais ADRs brasileiros cedia 2,78 por cento, a 29.252 pontos.

Juros - No call das 16h, o DI janeiro de 2013 apontava 9,930 por cento ao ano, ante 9,940 por cento no ajuste anterior.

Euro - A moeda comum europeia era cotada a 1,3463 dólar, ante 1,3462 dólar no fechamento anterior nas operações norte-americanas.

Global - 40 O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, caía a 131,250 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 2,233 por cento ao ano.

Risco-país - O risco Brasil subia 7 pontos, para 231 pontos-básicos. O EMBI+ avançava 9 pontos, a 373 pontos-básicos.


Bolsas dos Eua - O índice Dow Jones recuava 1,76 por cento, a 11.696 pontos; o S&P 500 tinha queda de 2,21 por cento, a 1.209 pontos, e o Nasdaq perdia 2,30 por cento, a 2.578 pontos.

Petróleo -  Na Nymex, o contrato de petróleo de vencimento mais próximo fechou em queda de 3,77 dólares, ou 3,67 por cento, a 98,82 dólares por barril.

Treasuries de 10 anos - O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia, oferecendo rendimento de 1,9550 por cento ante 2,0000 por cento no fechamento anterior.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame