Exame Invest
Mercados

França paga mais por sua dívida e aumenta diferença com Alemanha

PUBLICADO EM: 17.11.11 | 16H25
Taxa de risco do país chegou a ficar no patamar mais alto em dois anos, mas resultado de leilão foi melhor que o esperado
Bandeira da França

A bolsa de Paris seguiu a tendência europeia e fechou em baixa

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Paris - A França colocou à venda nesta quinta-feira um total de 9,7 bilhões de euros em dívida a curto, médio e longo prazo a taxas de juros maiores que em operações anteriores.

O resultado final foi relativamente melhor do que o esperado, principalmente porque o diferencial do bônus a dez anos entre França e Alemanha tinha alcançado um nível superior aos 200 pontos básicos antes do fim da manhã.

Depois do leilão, o diferencial que estava em níveis máximos desde 2009 caiu abaixo da marca dos 200 pontos, e em torno das 14h no horário local (11h em Brasília) ficou em torno dos 181 pontos básicos.

A Bolsa de Paris se situava em valores negativos, com cerca de 1,4% de baixa em seu índice geral, o CAC-40, em consonância com o que ocorria em outras praças europeias.

O Tesouro francês conseguiu colocar entre os investidores um total de 9,7 bilhões de euros nas emissões de obrigações a curto, médio e longo prazo, embora em todos os casos em juros maiores que nas emissões anteriores.

No leilão dos títulos a médio prazo, as taxas de juros aumentaram até 2,82%, contra os 2,31% anteriores da venda de 20 de outubro.

A emissão a dez anos, muito esperada pelo mercado depois que o diferencial franco-alemão disparou, alcançou taxas de juros de 2,32%, de acordo com os dados do Tesouro, contra 3,79% no mercado secundário.

O bônus a dez anos ficou acima de 1,48% do leilão de 20 de outubro, e também alcança taxas de juros superiores a de emissões precedentes.

O bônus a dois anos passou de 1,31% a 1,85%, o de quatro anos ficou em 2,44% contra o índice anterior de 1,96%, e o bônus a cinco anos (BTANI, vinculado à taxa de inflação) subiu a 1,78%, em comparação com o 0,73%.


No total, o Tesouro colocou à venda 950 milhões de euro em bônus a dois anos, 1,069 bilhões a quatro anos, 1,625 bilhões a cinco anos (BTANI a 2,25%), 3,332 bilhões a cinco anos (BTANI a 2,50%), 545 milhões para o bônus a cinco anos ajustado à inflação e 529 milhões a dez anos.

Os seguros contra a moratória da dívida (credit default swap, ou CDS), que medem a confiança dos investidores nas emissões de dívida francesa a cinco anos, também alcançaram níveis recorde, nove pontos básicos acima do nível anterior.

A tensão sobre o mercado da dívida francesa surge no meio das diferenças entre Paris e Berlim sobre o papel que as capitais consideram pertinente ao Banco Central Europeu (BCE).

Enquanto a chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou nesta quinta-feira que a intervenção do BCE para solucionar a crise da zona do euro não é uma opção, os dirigentes franceses mantiveram silêncio antes e depois do leilão de dívida.

Na véspera, a ministra francesa de Orçamento, Valérie Pécresse, invocou o papel de estabilidade financeira da instituição europeia, além da função de vigilância sobre o euro e a estabilidade da moeda única.

A imprensa francesa insistiu na permanência dessa distância entre as duas grandes economias europeias, ligada aos problemas que o mercado da dívida atravessa na maioria dos países da eurozona. EFE

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame