Fundo de George Soros sai de Santander e compra Itaú-Unibanco | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

Fundo de George Soros sai de Santander e compra Itaú-Unibanco

PUBLICADO EM: 16.11.10 | 17H20
Posição em AmBev, Net e Vale também foram vendidas; Petrobras, excluída em julho, não voltou à carteira do fundo americano
George Soros

George Soros, milionário administrador do Soros Fund Management

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo - O mega investidor americano George Soros, lenda do mercado financeiro e administrador do Soros Fund Manegement LLC, parece ter adotado a cautela como sua principal estratégia para o Brasil:  AmBev (AMBV3), Santander Brasil (SANB11) e Net (NETC4) tiveram sua posição diminuída no fundo durante o terceiro trimestre deste ano, informa comunicado ao mercado submetido ontem (16) à  SEC (Securities and Exchange Comission), reguladora do mercado de ações americano. 

No caso da Net, a fatia administrada pelo Soros Fund foi diminuída de 26.600 papéis para 12.700. Já os ADRs da AmBev e do Santander foram excluídos da carteira. O otimismo de Soros ficou reservado para o Itaú-Unibanco (ITUB3) e (ITUB4), único avanço do megainvestidor em companhias brasileiras, com a compra de 8.800 papéis no período.

O fundo também diminuiu em 1,4  milhão de dólares suas apostas em ações da Vale.  A posição foi reduzida de 121 mil para 75 mil papéis da mineradora. Segundo o documento oficial, o Soros Fund vendeu 46 mil ADRs da Vale durante o terceiro trimestre deste, cada ADR era negociado ontem a 32,38 dólares.

 

Petrobras continua fora

O recuo do megainvestidor no Brasil se faz sentir numa outra ausência significativa do portfólio: as ADRs da Petrobras, excluídas do fundo no segundo trimestre, não voltaram a fazer parte dos investimentos. A Petrobras era a empresa com a maior fatia em sua carteira antes da venda, operada em meio ao clima de  instabilidade gerado pela megacapitalização recente da petrolífera, a maior já realizada pelo mercado de ações no mundo.

À época, as ações da estatal sofriam o impacto da chuva de recomendações negativas e incertezas geradas pelas condições da capitalização, que incluíram o temor pelo preço salgado da cessão onerosa (direito de exploração de 5 bilhões de barris de petróleo dos poços da área do pré-sal).

 


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame