Exame Invest
Mercados

Galp pode se valorizar com venda no Brasil, diz Bernstein

PUBLICADO EM: 29.6.11 | 14H09
Oswald Clint, analista da administradora de investimentos, afirma que a exploração do pré-sal deve continuar a atrair valor para empresas
Posto de gasolina da Galp

Posto da Galp: Bernstein acredita que papéis vão performar acima do mercado

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Lisboa - A Galp Energia SGPS SA, maior empresa de petróleo de Portugal, pode impulsionar o preço de suas ações com a eventual venda de uma fatia de sua unidade brasileira, disse a Sanford C. Bernstein & Co.

“O plano da Galp de vender ativos no Brasil até o fim do terceiro trimestre deve impulsionar sua valoração”, disse Oswald Clint, analista da Bernstein, que tem recomendação de “outperform” para a companhia. “Acreditamos que a exploração do pré-sal é algo único, que deve continuar atraindo maiores valorações.”

Em 14 de março, a Galp disse que pretende captar cerca de 2 bilhões de euros através do aumento de capital na unidade brasileira. A empresa pretende realizar a operação através de uma oferta privada de ações, e quer concluí-la até o fim do terceiro trimestre. O JPMorgan Chase & Co., o UBS AG e o Bank of America Corp. foram contratados para coordenar a oferta, disseram em maio duas pessoas familiarizadas com a operação.

A Galp está expandindo suas atividades de exploração em regiões como a Bacia de Santos, onde está o campo Lula, e em Angola. O objetivo da empresa é elevar suas reservas de petróleo cru e reduzir sua dependência da atividade de refino e venda de combustíveis em Portugal e na Espanha.

No Brasil, a Galp tem participação em quatro blocos da Bacia de Santos, incluindo nos campos Lula e Júpiter. A Petróleo Brasileiro SA está trabalhando no desenvolvimento de campos em águas profundas que incluem as duas maiores descobertas nas Américas desde a do campo de Cantarell, no México, em 1976.

Campo Lula

O campo Lula, antes conhecido como Tupi, tem volume recuperável de 6,5 bilhões de barris de petróleo e equivalentes. A Galp também é parceira da Petrobras em Cernambi, com reserva estimada em 1,8 bilhão de barris.

O campo Iara, do qual a Galp tem participação de 10 por cento, “pode ser o próximo a ter suas reservas revisadas, com mudanças de estimativas de capacidade e de volume recuperável”, disse Clint no relatório.

A ação da Galp acumula alta de 6,4 por cento neste ano, o que representa 12,6 bilhões de euros em valor de mercado para a companhia. A Eni SpA, maior empresa de petróleo da Itália, e a holding portuguesa Amorim Energia BV têm, cada uma um terço do controle da Galp.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame