Gestora Ashmore perde 10,7% dos ativos em 90 dias | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

Gestora Ashmore perde 10,7% dos ativos em 90 dias

PUBLICADO EM: 14.1.15 | 9H27
Uma das maiores gestoras internacionais especializadas em mercados emergentes sentiu o baque da crescente desconfiança com economias em desenvolvimento
Dólar

Dólar: os saques superaram os depósitos em US$ 4,2 bilhões

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Londres - Uma das maiores gestoras internacionais especializadas em mercados emergentes sentiu o baque da crescente desconfiança com economias em desenvolvimento. Nos últimos três meses de 2014, a inglesa Ashmore amargou queda de 10,7% no total de recursos administrados.

Além dos saques, os ativos que compõem a carteira perderam valor, o que potencializou a redução. Apesar do tombo, os gestores afirmam que os mercados emergentes apresentam "atraentes oportunidades".

Os últimos 90 dias do ano passado foram ruins para a Ashmore. Diante de sinais cada vez mais frequentes de desaceleração na China, crise geopolítica na Rússia, estagnação no Brasil e fortalecimento do dólar nos Estados Unidos, a gestora viu o volume de recursos sob sua administração nos mercados emergentes cair em US$ 7,6 bilhões desde o fim de setembro, para US$ 63,7 bilhões em 31 de dezembro de 2014.

"O resultado foi predominantemente gerado pela forte venda nos mercados no início de dezembro, o que particularmente afetou o segmento em moeda local", explica a gestora em comunicado.

"A queda das commodities, a alta do dólar e o aumento da volatilidade prejudicaram os mercados emergentes no trimestre", diz o chefe executivo da Ashmore, Mark Coombs, ao comentar que o quadro gerou queda dos ativos das economias em desenvolvimento, aumento da aposta de alta do juro nos Estados Unidos e subida do dólar.

Saques

O balanço da Ashmore mostra que os saques superaram os depósitos em US$ 4,2 bilhões nos 90 dias. Para piorar a situação, os ativos que compõem os fundos administrados pela gestora amargaram desvalorização de US$ 2,8 bilhões.

Ou seja, além de o montante aplicado pelos clientes ter diminuído após as retiradas, o dinheiro remanescente perdeu valor porque os investimentos caíram de preço.

Gestores da Ashmore atuam em vários segmentos nos mercados emergentes. Entre os principais, os investimentos em dívida externa, dívida corporativa e multimercados terminaram o trimestre com prejuízo.

Ou seja, rendimento negativo das carteiras. Entre os demais setores, ações, câmbio e operações no segmento imobiliário e de infraestrutura terminaram com resultado estável.

Apesar do tombo visto nos últimos meses, a gestora reafirma a aposta nos emergentes. Mark Coombs argumenta que os fundamentos "permanecem sólidos e incertezas, como os ciclos eleitorais, diminuíram".

"Portanto, como acontece normalmente após uma sequência de queda acentuada e generalizada, os mercados emergentes oferecem oportunidades muito atraentes de retorno de curto prazo", diz o executivo.

As maiores oportunidades, diz, aparecem nos investimentos em carteiras que compram títulos de dívida em várias moedas, papéis em moeda local e ações. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame