Grécia ajuda, mas Bolsas europeias divergem no final | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

Grécia ajuda, mas Bolsas europeias divergem no final

PUBLICADO EM: 27.11.12 | 16H29
Ânimo com decisão do Eurogrupo sobre o país endividado teve curta duração
bolsa europa

Movimento de alta observado na abertura das bolsas europeias perdeu fôlego devido à situação da Grécia

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

As Bolsas de Valores da Europa fecharam em direções divergentes nesta terça-feira, com variações modestas, após o anúncio do acordo para liberar uma nova parcela da ajuda internacional para a Grécia e reduzir a dívida do país para níveis sustentáveis no longo prazo. O índice pan-europeu Stoxx 600 teve alta de 0,32%, encerrando a 272,86 pontos.

O entusiasmo com o anúncio de uma decisão sobre a Grécia na reunião do Eurogrupo, que terminou nesta madrugada, durou pouco. As Bolsas europeias abriram a sessão em alta e o euro superou US$ 1,30, mas o movimento logo perdeu força, à medida que se observou que uma decisão formal sobre o desembolso de mais ajuda financeira para a Grécia só será tomada em dezembro.

Após quase 13 horas de reunião, os credores oficiais da Grécia chegaram a um acordo para reduzir a dívida do país para o nível sustentável de 110% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2022. O acordo inclui uma extensão dos vencimentos dos empréstimos internacionais, um corte nas taxas de juros que o governo grego está pagando sobre os empréstimos e uma recompra de dívida. Porém, uma das questões mais importantes para a Grécia, que é o recebimento da próxima parcela de ajuda internacional, continuou sem resposta.

O acordo abriu caminho para que a Grécia receba 43,7 bilhões de euros - 34,4 bilhões de euros em dezembro e o restante durante o primeiro trimestre de 2013. No entanto, o Eurogrupo alertou que isso dependerá da implementação pela Grécia das determinações da troica, incluindo uma reforma fiscal até janeiro.

Em comunicado, o Eurogrupo disse que espera "estar em posição para decidir formalmente sobre o desembolso até 13 de dezembro, dependendo da conclusão dos procedimentos nacionais e em seguida à análise do resultado de uma possível operação de recompra de dívida pela Grécia".


Nesse cenário, o índice DAX da Bolsa de Frankfurt subiu 0,55%, fechando a 7.332,33 pontos. Entre os destaques de alta aparecem Fresenius Medical Care (+2,70%) e Commerzbank (+1,71%). Já a Deutsche Telekom perdeu 0,57%, após a Moody's manter sua perspectiva negativa para o setor de telecomunicação na Europa.

Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 ganhou 0,03% e finalizou a 3.502,13 pontos. Caiu a maioria de ações de empresas em que o governo tem participação, após comentários do Ministério da Indústria, sugerindo a possibilidade de uma nacionalização - mesmo que temporária - da siderúrgica ArcelorMittal. Os papéis da Arcelor perderam 0,43%, enquanto EDF recuou 1,94% e EADS teve desvalorização de 0,73%.

Em Londres, o índice FTSE avançou 0,22%, para terminar a 5.799,71 pontos. Os bancos tiveram um bom desempenho, depois do anúncio na véspera de que Mark Carney será o novo presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês). HSBC subiu 0,15%, Lloyds avançou 2,92% e o RBS, que também teve sua recomendação elevada por uma corretora, ganhou 3,51%.

O índice ASE, da Bolsa de Atenas, subiu 0,29% e fechou a 847,06 pontos.

Em terreno negativo, o índice PSI-20, da Bolsa de Lisboa, perdeu 0,87%, fechando a 5.247,65 pontos. Na Bolsa de Milão, o FTSE-Mib teve queda de 0,26%, acabando o dia a 15.479,81 pontos. E em Madri o índice IBEX-35 recuou 0,14%, fechando a 7.863,70 pontos. As informações são da Dow Jones.


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame