Exame Invest
MERCADOS

Ibovespa cai 1,55% com agenda econômica cheia e decisão do Fed

PUBLICADO EM: 20.3.19 | 17H14
ATUALIZAÇÃO: 20.3.19 | 17H50
Após entrega da reforma para militares e decisão do banco central americano em manter taxa de juros, Ibovespa encerrou pregão a 98.041,37 pontos
B3 ibovespa bolsas de valores

Bolsa: índice fechou em queda

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O índice acionário Ibovespa encerrou em queda nesta quarta-feira marcado pela cautela dos investidores diante de agenda econômica cheia e cenário exterior misto, após decisão de política monetária do Federal Reserve.

Referência do mercado de ações brasileiro, o Ibovespa caiu 1 55 por cento, a 98.041,37 pontos, de acordo com dados preliminares. O volume financeiro da sessão alcançava 16,98 bilhões de reais.

Para Rodrigo Zauner, sócio da SVN Investimentos, as atenções se dividiram entre a decisão de política monetária do Fed e o encaminhamento da reforma da aposentadoria dos militares ao Congresso. "Cautela. Essa foi a palavra do dia", afirmou.

O projeto que altera as regras previdenciárias para militares foi entregue pelo presidente Jair Bolsonaro e integrantes dos ministérios da Economia e da Defesa ao Congresso Nacional. O texto prevê uma economia líquida em 10 anos com aposentadorias de 10,45 bilhões de reais.

No cenário externo, o Fed, banco central dos EUA, manteve a taxa de juros em 2,25 a 2,50 por cento ao ano, com seus diretores abandonando projeções de novas altas de juros para 2019 e sinalizando uma desaceleração na economia.

O mercado aguarda a divulgação do Copom. A expectativa majoritária é de manutenção da Selic em 6,5 por cento ao ano. Investidores buscando nos comentários indícios sobre a futura atuação do BC.

Destaques

- BR DISTRIBUIDORA recuou 3,75 por cento, tendo de pano de fundo a indicação de Rafael Grisolia para presidente-executivo da subsidiária da Petrobras.

- VALE teve queda de 2,58 por cento, acompanhando a queda dos preços do minério de ferro na China. Os contratos recuaram valor após a mineradora informar que a Justiça de Minas Geris autorizou a retomada das atividades na barragem de Laranjeiras e no complexo de Brucutu, principal operação de minério de ferro da empresa no Estado.

- ITAÚ UNIBANCO PN teve queda de 2,25 por cento, enquanto BRADESCO PN

- PETROBRAS PN teve queda de 0,79 por cento, e PETROBRAS ON subiu 0,61 por cento, em meio a notícias positivas como sobre a esperada conclusão da renegociação do chamado contrato da cessão onerosa e da proximidade da conclusão de desinvestimentos bilionários para a empresa.

- CSN avançou 1,4 por cento, após forte queda no dia anterior.

- COSAN subiu 0,31 por cento, um dia após empresa promover encontro com investidores, no qual apresentou projeções atualizadas para todos seus negócios em 2019.

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame