MERCADOS

Petrobras pressiona e Ibovespa recua; dólar supera R$ 3,90 na máxima

PUBLICADO EM: 12.4.19 | 10H12
ATUALIZAÇÃO: 12.4.19 | 14H30
Às 11:24, o Ibovespa caía 0,09 por cento, a 94.670,87 pontos

B3: índice Bovespa abriu em queda no pregão desta sexta-feira (12) (Bloomberg)

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo — O Ibovespa recuava nesta sexta-feira, pressionado pela queda das ações da Petrobras, após estatal desistir de elevar o preço do diesel em suas refinarias, em meio a clima de cautela quanto à articulação política da reforma da Previdência.

Às 11:24, o Ibovespa caía 0,09 por cento, a 94.670,87 pontos. O volume financeiro era de 4,86 bilhões de reais.

A Petrobras desistiu de elevar o preço do diesel nas refinarias a partir desta sexta-feira após pressão do presidente Jair Bolsonaro, que defendia uma alta menor, disse uma fonte à Reuters, levantando incertezas quanto à independência da estatal no que tange a sua política de reajustes de combustíveis.

Para a analista da Coinvalores Sabrina Cassiano, o movimento aumenta a percepção com relação a possíveis ingerências políticas e traz dúvidas quanto a autonomia da companhia.

"A questão é até que ponto essa decisão foi técnica e não teve interferência política, que é algo que já vimos acontecer no passado e que deixou a estatal em uma situação bastante complicada", afirmou.

Enquanto isso, membros do governo querem votar a admissibilidade da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara já na próxima terça-feira. Outros três deputados da oposição já apresentaram votos em separado questionando a admissibilidade do texto.

As incertezas sobre o andamento da reforma e sobre o poder de articulação do governo vêm assombrando os mercados nos últimos dias, com o Ibovespa recuando pela quarta sessão consecutiva nesta sexta-feira. Até a véspera, o índice acumulava queda de 2,4 por cento na semana.

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, afirmou nesta sexta-feira que a reforma da Previdência será colocada como primeiro item para votação na pauta da CCJ no dia 17, mas até o momento não houve convocação formal da reunião e nem publicação da pauta.

Destaques

- PETROBRAS PN recuava 4,39 por cento e PETROBRAS ON caía 5,24 por cento, figurando entre as maiores quedas do Ibovespa, apesar do aumento dos preços do petróleo no exterior, em meio a cautela após desistência de reajuste do preço do diesel pela estatal. BR DISTRIBUIDORA desvalorizava-se 0,83 por cento.

- BR MALLS declinava 1,85 por cento, MULTIPLAN caía 0,4 por cento e IGUATEMI perdia 1,05 por cento, em sessão desfavorável para o setor de shoppings no geral. Na véspera, relatório do Morgan Stanley sobre o segmento na América Latina chamou a atenção para potenciais efeitos negativos de aplicativos de entrega e de transporte compartilhado.

- B2W recuava 1,55 por cento, enquanto MAGAZINE LUIZA ganhava 0,72 por cento, conforme analistas continuam analisando potenciais efeitos de notícias de que ambas as varejistas estão avaliando a aquisição da Netshoes.

- ITAÚ UNIBANCO PN avançava 1,08 por cento, enquanto BRADESCO PN valorizava-se 1,19 por cento, ajudando a reduzir as perdas do Ibovespa, dado o peso desses papeis em sua composição.

- VALE ganhava 1,16 por cento, acompanhando a alta do preço do minério de ferro na China.

- CSN subia 3,46 por cento, entre as maiores altas do Ibovespa, após uma sequência de três sessões de queda. O grupo siderúrgico e de mineração anunciou na quarta-feira que voltou ao mercado de crédito com emissão de 1 bilhão de dólares em duas partes, em estratégia para alongar vencimentos de dívida, informou o IFR.

Às 10:17, o Ibovespa caía 0,95 por cento, a 93.856,19 pontos.

Dólar

O dólar acelerou a alta ante o real, tendo superado o patamar de 3,90 reais no início da tarde desta sexta-feira, após o presidente Jair Bolsonaro admitir que procurou a Petrobras sobre o preço do diesel, levando a estatal a recuar e manter o preço do combustível.

Às 14:21, o dólar avançava 0,60 por cento, a 3,8802 reais na venda. Na máxima, a cotação bateu 3,9073 reais.

"Eu liguei para o presidente sim. Me surpreendi com o reajuste de 5,7 por cento. Não vou ser intervencionista. Não vou praticar a política que fizemos no passado, mas quero os números da Petrobras", disse o presidente, de acordo com o site do jornal O Estado de S.Paulo.

Às 14h10, o real tinha o pior desempenho entre 33 pares do dólar, em dia em que as moedas emergentes operam em alta

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame