Exame Invest
MERCADOS

Ibovespa opera no vermelho, com Vale e Petrobras em queda

PUBLICADO EM: 20.3.12 | 12H36
Dólar registrava forte alta refletindo a aversão ao risco nos mercados internacionais
Carregamento de minério de ferro da Vale, no Porto de Tubarão, Espírito Santo

Ações ordinárias da Vale registram alta de 7% em 2012

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo – O Ibovespa operava no terreno negativo no início da tarde desta terça-feira. O principal índice da bolsa brasileira chegava a desvalorizar 1,5%, aos 66.704 pontos na mínima do dia, com as quedas das ações da Petrobras e da Vale pressionando o índice para baixo. Em março, o Ibovespa acumula alta de 1,8%.

Na Europa, as bolsas também operam no terreno negativo. Por lá, ainda que existam incertezas e sinais de recessão, os ânimos parecem ter se acalmado mais após a reestruturação da dívida Grécia. Hoje, o país pagou yield (retorno ao investidor) mais baixo no primeiro leilão após o calote, num total de 1,3 bilhão de euros em títulos do Tesouro. Os yields ficaram em 4,25%, de 4,61% no leilão de 14 de fevereiro. Isso não significa, no entanto, que os investidores tenham baixado a guarda. Toda a região segue no radar, em especial Portugal, que pode ser o próximo país a precisar de mais socorro.

O dólar operava em forte alta ante o real na manhã desta terça-feira, refletindo a aversão ao risco nos mercados internacionais e a apreensão dos investidores acerca da possibilidade de novas intervenções do governo no mercado de câmbio. Na máxima do dia, a divisa dos Estados Unidos atingiu 1,8366 real. Os mercados internacionais seguiam apreensivos após informações de que a demanda da China por matérias-primas pode estar desacelerando.

Este vídeo não será exibido em iPad e alguns tablets Android:

/libc/player/liquid3.swf

Vale

As ações ordinárias da Vale (VALE3) estavam entre as maiores quedas do Ibovespa, com uma desvalorização de 3,5%, negociadas a 41,82 reais.

A Vale estima que deixará de transportar cerca de 300 mil toneladas de minério de ferro por causa do desabamento de uma ponte ferroviária da estrada de Ferroa Carajás (EFC) no município de Vitória do Mearim, distante cerca de 170 quilômetros de São Luís. A informação foi divulgada hoje em um comunicado ao mercado feito pela mineradora brasileira.

No comunicado, a mineradora informou que o volume de minério que deixará de ser embarcado é pequeno e que espera compensar com outras operações que tem no Espírito Santo e no Rio de Janeiro. "A perda esperada no volume de embarques de minério de ferro no terminal marítimo de Ponta da Madeira (MA) é relativamente pequena, de 300.000 toneladas. Tal redução poderá ser compensada pelo melhor desempenho de embarques em Tubarão (ES), Ilha de Guaíba (RJ) e Itaguaí (RJ).", diz a nota.

No entanto, não houve menção aos trens de passageiros, cujas últimas viagens, entre São Luís (MA) e Parauapebas (PA), foram canceladas por causa do acidente.

Petrobras

As ações da Petrobras (PETR3; PETR4) também operavam no vermelho, com uma desvalorização próxima de 0,5%.
A estatal anunciou que fará investimentos na ordem de 58,8 bilhões de reais, neste ano, - 13,7 bilhões de reais a menos na comparação com os aportes feitos no ano passado.

Segundo a estatal, do total de investimentos, cerca de 60% serão aplicados à área de exploração & produção, 33,1% para área de abastecimento, 5,42% para área de gás & energia e 2,46% para outros negócios.

O valor, que não inclui orçamento de empresas controladas como a Transpetro. Segundo a petrolífera, inclui 55,5 bilhões de reais em recursos próprios da Petrobras e 3,3 bilhões de reais em recursos de terceiros.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame