MERCADOS

Ibovespa avança guiado por bancos e Petrobras

PUBLICADO EM: 7.4.16 | 11H01
O principal índice da Bovespa avançava nos primeiros negócios desta quinta-feira, descolado do viés externo negativo
Operadores na Bovespa

Operadores na Bovespa: às 10h07, o Ibovespa subia 0,64 por cento, a 48.401 pontos

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo - O principal índice da Bovespa avançava na manhã desta quinta-feira, descolado do viés mais fraco no exterior, conforme desdobramentos políticos seguem guiando o pregão, em particular sobre o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Às 10h41, o Ibovespa subia 1,13%, a 48.639 pontos. O volume financeiro era de 582 milhões de reais.

"A influência do cenário político tem prevalecido, para o bem ou para o mal", disse o gestor Eduardo Roche, da Canepa Asset Management.

A corretora Rico endossa a assertiva e diz em nota a clientes que o mercado está "contando os votos para o processo de impeachment da presidente", que pode ser votado pelo plenário da Câmara dos Deputados na próxima semana.

Nesse contexto, repercutia favoravelmente novo placar publicado pelo jornal O Estado de S.Paulo mostrando acréscimo no número de deputados a favor do impeachment, assim como potenciais novas delações premiadas.

O relator do pedido de impeachment contra Dilma Rousseff na comissão especial da Câmara, deputado Jovair Arantes (PTB-GO), afirmou na véspera que as "violações" cometidas pela presidente justificam a abertura de um processo de impedimento.

No exterior, Wall Street abriu em queda, reflexo de preocupações sobre o fraco crescimento global e dúvidas sobre os planos do Federal Reserve para elevar as taxas de juros este ano. O S&P 500 cedia 0,48%.

Destaques

ITAÚ UNIBANCO e BRADESCO avançavam 0,85 e 1,04%, respectivamente, respondendo pela maior contribuição positiva ao Ibovespa e recuperando-se de perdas na véspera, conforme todo o setor bancário avançava influenciado por expectativas políticas, liderados pelo BANCO DO BRASIL , com ganho de 1,87%.

PETROBRAS mostrava as preferenciais em alta de 3,3%, também reagindo a percepções sobre o cenário político, apesar da fraqueza dos preços do petróleo no mercado externo.

VALE tinha as preferenciais com ganho de 1,58%, acompanhando o tom positivo no pregão. Analistas também repercutiam notícia de que a Samarco, controlada pela Vale e a BHP Billiton, só poderá retomar as operações após conter totalmente o vazamento da lama residual das barragens do complexo de Germano, em Mariana.

GERDAU subia 1,92%, conforme todo o setor se siderurgia valorizava-se na Bovespa após correções de baixa em pregões recentes.

BRASKEM avançava 3,65%, em nova sessão de recuperação após fortes perdas em março, particularmente na segunda metade do mês. A petroquímica divulgou na véspera que a Braskem Idesa, joint venture com o grupo mexicano Idesa, produziu o primeiro lote de polietileno no México, e a expectativa é que duas outras unidades de polietileno comecem a operar ainda em abril.

RUMO LOGÍSTICA recuava 9,85%, na ponta negativa do Ibovespa. O jornal Valor Econômico publicou que a concessionária ferroviária perdeu ação envolvendo sua cliente Agrovia, sobre contratos de transporte ferroviário de açúcar, e terá de pagar indenização que pode superar 300 milhões de reais.

Matéria atualiazada às 11h00

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame