Exame Invest
MERCADOS

Juros futuros sobem com relatório de inflação

PUBLICADO EM: 20.12.13 | 16H08
Um fator que influenciou de maneira pontual mercado de juros nesta sexta foi o resultado do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de novembro
Bovespa

Bovespa: ao término da negociação regular na BM&FBovespa, a taxa do contrato futuro de juro para abril de 2014 (68.665 contratos) estava em 10,13%

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo - Os contratos de juros futuros fecharam esta sexta-feira, 20, em alta, com os vencimentos mais longos tendo avanços mais consistentes que o dos curtos, em meio à avaliação do mercado de que o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do Banco Central trouxe uma leitura demasiadamente otimista em relação à economia brasileira.

Os DIs também reagiram à alta do dólar, que vem sendo impulsionada, entre outras coisas, pela saída de recursos do País.

O RTI reforçou pontos que vinham sendo defendidos pelo BC, como a necessidade de se manter "especialmente vigilante" com a inflação e que a transmissão dos efeitos das ações de política monetária ocorre com "defasagens".

Mas as previsões de inflação feitas pela autoridade monetária, aliadas à surpresa negativa com a prévia do IPCA de dezembro, anunciada ontem, levaram os investidores a uma correção importante nas taxas do DI. "A inflação está se acomodando em patamares perigosos", disse um operador de juros.

De fato, as projeções de inflação mostram resistência dos preços. A estimativa de IPCA permaneceu em 5,8% para final de 2013, no cenário de referência e de mercado, sem recuo em relação ao patamar de 2012. O BC voltou a falar em volatilidade no câmbio, além de acrescentar que vê uma tendência de apreciação do dólar.

"O Copom avalia que a depreciação e a volatilidade da taxa de câmbio verificadas nos últimos trimestres ensejam um natural e esperado processo de correção de preços relativos, ou seja, de preços domésticos em relação a preços praticados no resto do mundo."

Outro fator que influenciou - de maneira pontual - o mercado de juros nesta sexta-feira foi o resultado do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de novembro.


O saldo líquido de empregos formais gerados em novembro foi de 47.486 vagas, resultado de 1.618.426 admissões e de 1.570.940 demissões.

O número ficou dentro do intervalo das previsões obtidas pelo AE Projeções, mas abaixo da mediana, de 51.500 postos. A geração de empregos em novembro foi 37,65% menor do que em novembro do ano passado, quando ficou em 76.157 pela série ajustada

Nesse cenário, ao término da negociação regular na BM&FBovespa, a taxa do contrato futuro de juro para abril de 2014 (68.665 contratos) estava em 10,13%, de 10,10% ajuste anterior.

O juro para janeiro de 2015 (474.685 contratos) indicava 10,63%, de 10,54% no ajuste de quinta-feira. Na ponta mais longa, o DI para janeiro de 2017 (156.035 contratos) apontava 12,35%, ante 12,15% na véspera. A taxa do DI para janeiro de 2021 (8.440 contratos) marcava 13,01%, de 12,85% no ajuste anterior.

O dólar à vista no balcão fechou em R$ 2,3810, alta de 1,32%. A divisa dos EUA foi impulsionada pela revisão do PIB do país no terceiro trimestre.

A economia norte-americana cresceu à taxa anualizada de 4,1%, segundo a terceira e última leitura, acima dos 3,6% na estimativa anterior e também das estimativas dos analistas, de 3,6%.

Trata-se do maior ganho desde o quarto trimestre de 2011 e sugere que o Federal Reserve acertou ao reduzir suas ações de estímulo esta semana.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame