MERCADOS

Juros terminam com leve alta, mas caem na semana

PUBLICADO EM: 13.12.13 | 16H19
Os últimos pregões foram marcados pela volatilidade e baixo volume de negociação, com os investidores cautelosos antes da reunião do Federal Reserve
Sede da Bovespa

Sede da Bovespa: juros futuros atingiram as máximas do pregão no meio da tarde e voltaram para os ajustes desta quinta-feira, 12

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo - Os juros futuros fecharam com leve alta nesta sexta-feira, 13, mas acumularam quedas na semana, após o presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, assegurar no dia 6 que o programa de swap cambial lançado em agosto continuará em 2014, o que minimizou um dos riscos precificados pelo mercado.

De qualquer forma, os últimos pregões foram marcados pela volatilidade e baixo volume de negociação, com os investidores cautelosos antes da reunião do Federal Reserve (Fed, o BC dos Estados Unidos), na terça, 17, e quarta-feira, 18.

Os juros futuros atingiram as máximas do pregão no meio da tarde e voltaram para os ajustes desta quinta-feira, 12, num movimento de recuperação técnica após a queda da manhã, provocada, principalmente, pelos dados sobre deflação nos EUA. Internamente, o positivo Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) e a redução das perdas do dólar contribuíram para suavizar a pressão sobre as taxas.

Ao término da negociação regular na BM&FBovespa, a taxa do contrato futuro de juro para abril de 2014 (32.200 contratos) estava em 10,06%, de 10,05% no ajuste anterior.

O juro para janeiro de 2015 (155.045 contratos) indicava 10,51%, de 10,48% no ajuste desta quinta-feira. Na ponta mais longa, o DI para janeiro de 2017 (228.475 contratos) apontava máxima de 12,03%, ante 12,01% na véspera. A taxa do DI para janeiro de 2021 (10.520 contratos) marcava 12,70%, também máxima, de 12,65% no ajuste anterior.

Os preços no atacado dos EUA caíram pelo terceiro mês consecutivo em novembro, no último sinal de que as pressões inflacionárias estão se enfraquecendo num momento em que o Fed considera reverter sua política de estímulos.

O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) do país recuou 0,1% em novembro ante outubro, segundo dados do Departamento do Trabalho. Com a inflação baixa, a leitura é de que o banco central dos EUA teria espaço para manter sua política de estímulos por mais tempo.

O ex-vice-presidente do Fed, Donald Kohn, que chegou a ser cotado para suceder Ben Bernanke no comando da instituição no próximo ano, disse hoje que não reduziria as compras mensais de bônus este mês, apesar de entender a vontade de alguns membros da autoridade monetária de cortar os estímulos, em função dos riscos de bolhas e inflação que eles podem gerar.

No cenário interno, o Banco Central divulgou hoje que seu Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) subiu 0,77% em outubro ante o mês anterior, na série com ajuste sazonal. O resultado ficou acima da mediana das projeções dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo AE Projeções (+0,50%), mas dentro do intervalo das estimativas (0,20% a 0,90%).

Enquanto isso, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse em uma entrevista exclusiva ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, que o PIB de 2014 deve ser "um pouquinho maior" do que o deste ano e que a meta de superávit primário será cumprida sem manobras. "O fiscal não vai nos atrapalhar no ano que vem", garantiu.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame