MERCADOS

Maioria das bolsas da Europa fecha em queda com Fed

PUBLICADO EM: 13.12.13 | 15H15
Ao longo do dia a cautela sobre a reunião do Federal Reserve na próxima semana voltou a pressionar os mercados
Bandeira da Irlanda

Irlanda: boa notícia do dia na Europa veio da Irlanda, que será primeiro país da zona do euro a sair oficialmente de programa internacional de ajuda neste fim de semana

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

São Paulo - Os mercados da Europa tiveram uma intensa volatilidade na última sessão da semana, com a maioria das bolsas fechando o dia em terreno negativo. A sexta-feira começou animada com a notícia de que o acordo para o Orçamento dos Estados Unidos foi aprovado na Câmara dos Representantes nesta quinta-feira, 12, à noite, o que sustentou os ganhos durante a manhã.

No entanto, ao longo do dia a cautela sobre a reunião do Federal Reserve na próxima semana voltou a pressionar os mercados, que ainda estão em dúvidas sobre o futuro da compra de bônus mensal norte-americana. O índice Stoxx Euro 600 fechou em queda de 0,2%, aos 309,75 pontos.

Dois dias após o acordo entre líderes partidários, na terça-feira, a Câmara dos Representantes dos EUA aprovou nesta quinta-feira à noite o pacto que estabelece parâmetros para os gastos públicos em 2014 e 2015.

Mesmo com a reclamação de alguns dissidentes da base governista e da oposição, o acordo foi aprovado com o apoio de 332 deputados, sendo 169 republicanos e 163 democratas, e apenas 94 parlamentares rejeitaram o texto. Agora, o pacto deverá ser avaliado pelo Senado na próxima semana e, se aprovado, o acordo será sancionado pelo presidente Barack Obama.

Do ponto de vista econômico, o acordo favorece a percepção de que a recuperação econômica dos Estados Unidos estão no caminho correto, o que alimentou um otimismo nos mercados acionários europeus. Parte dos economistas acredita que este cenário poderia favorecer a retirada dos estímulos monetários pelo Fed, na reunião dos dias 17 e 18 de dezembro. Entretanto, não há consenso sobre o tema e, na dúvida, os investidores parecem preferir não arriscar novas e grandes posições.

O único indicador norte-americano do dia foi o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês), que caiu 0,1% em novembro. O dado reforçou a tendência de que, com a inflação baixa, o Fed pode esperar mais para iniciar a redução de estímulos. O banco central norte-americano já afirmou que a redução dependerá da retomada do crescimento, de ganhos contínuos no mercado de trabalho, além de uma inflação próxima da meta de 2%.

Para analistas do BNP Paribas, o primeiro item está "verde", o segundo está "amarelo" e o terceiro, "vermelho", como reforça o dado de hoje. "A economia não está sendo aprovada nas três fases do teste e por isso não acreditamos que o Fed reduzirá estímulos na próxima reunião", afirmaram.


Essa cautela, que já faz parte da rotina das bolsas europeias há duas semanas, mais uma vez fez os ganhos vistos durante a manhã recuarem ao longo da sessão. Em comparação a outros pregões, no entanto, as perdas não foram tão expressivas e algumas bolsas fecharam próximas da estabilidade.

A boa notícia do dia na Europa veio da Irlanda, que será o primeiro país da zona do euro a sair oficialmente de um programa internacional de ajuda neste fim de semana, deixando para trás uma grave recessão que levou Dublin a buscar auxílio três anos atrás.

O índice IBEX35, da Bolsa de Madri, fechou perto da estabilidade com uma leve alta de 0,01%, aos 9.272,70 pontos. Na semana, entretanto, a queda foi de 1,36%. Hoje, o jornal Cinco Dias divulgou que a dívida pública da Espanha superou o recorde atingido em 1942 e chegou a 93,4% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, a pior taxa desde 1912.

A notícia, contudo, não pressionou o mercado espanhol. As ações dos bancos foram os destaques positivos do dia. Bankinter e Caixa Bank registrara alta de 2,6% e 1,3%, respectivamente. Já o setor da construção civil decepcionou e os papéis da FCC e Sacyr recuaram 2,2% e 1,6%, respectivamente.

Já a Bolsa de Milão fechou estável, aos 17.805,73 pontos. Na semana, a queda foi de 1,84%. A companhia de infraestrutura, Snam, teve uma das melhores performances da sessão e as ações fecharam com alta de 2,7%. Em Frankfurt, o índice DAX perdeu 0,12% no pregão e fechou aos 9.006,46 pontos, com queda semanal de 1,81%. As ações da RWE caíram 1,4%, repercutindo um rebaixamento pelo Goldman Sachs. Os papéis do Deutsche Boerse também registraram queda, a 1,4%, assim como o Commerzbank, que recuou 1%.

Na França, a queda na Bolsa de Paris foi de 0,23%, aos 4.059,71 pontos, acompanhando a perda de 1,69% na semana. As ações da Sanofi caíram 1,8%, enquanto a AXA registrou ganhos de 2,5% nos país.

Fora do índice CAC40, as ações da Peugeot perderam 12% depois que a General Motors anunciou ontem a venda de 7% na participação de capital da companhia. Já os papéis da Vivendi subiram 0,3%, depois que a companhia anunciou um novo presidente.

O índice FTSE, em Londres, teve leve queda de 0,08%, aos 6.439,96 pontos. Na semana, as perdas somaram 1,71%. O grupo RSA Insurance registrou o maior recuo da sessão, com as ações caindo 12,48%.

O chefe executivo da companhia, Simon Lee, deixou o cargo com a alegação de que os problemas na unidade irlandesa afetariam os ganhos em 2013. A Bolsa de Lisboa registrou as menores perdas na semana, com queda de 0,08%. Contudo, na sessão desta sexta-feira, registrou o maior recuo entre as bolsas da região, e caiu 0,46%, aos 6.349,00 pontos.

Com informações da Dow Jones Newswires. Atualizado às 16h15.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame