Exame Invest
MERCADOS

Mercado precifica 94% de chance de um calote da Grécia

PUBLICADO EM: 9.9.11 | 15H01
Contrato de seguro contra default do país atinge a estratosfera
Os ministros das Finanças da zona euro reunidos em Bruxelas. Em primeiro plano, o representante da Grécia, Evangelos Venizelos

Ministro das Finanças da Grécia disse hoje que as notícias sobre um possível calote são "especulações organizadas"

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo – O mercado já entende que um calote da Grécia é quase certo. As negociações dos contratos CDS (Credit Default Swaps) de cinco anos atingiram a estratosfera nesta sexta-feira. Segundo dados da CMA, as negociações indicam uma probabilidade de 94% de um calote na dívida do país. Os CDS funcionam como um seguro contra um calote.

O custo da proteção contra as dívidas soberanas dos países europeus disparam. O índice Markit iTraxx SovX Western Europe, que agrega CDS de 15 governos, está em alta de 5,3%, para 335,50 pontos. O ministro das Finanças da Grécia, Evangelos Venizelos, disse hoje que o país não irá declarar inadimplência e que considera as notícias sobre um calote “especulação organizada”.

Renúncia

A ruptura de ideias dentro do Banco Central Europeu foi escancarada nesta sexta-feira com a renúncia de um dos seus diretores. Jürgen Stark disse em um comunicado que, por motivos pessoais, não irá mais ocupar o cargo cujo mandato só seria encerrado em 31 de maio de 2014. O economista é um dos opositores das medidas recentes adotadas pela autoridade monetária que visam controlar a crise da dívida dos países da zona do euro.

Segundo a Reuters, o principal motivo da saída de Stark tem relação a um conflito sobre o programa de compra de bônus soberanos do banco. Segundo o jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, o vice-ministro de Finanças da Alemanha, Joerg Asmussen, pode ser escolhido para substituir Stark. O mercado avalia que a saída de Stark, apenas dois meses antes do final do término do comando do presidente do BCE, Jean Claude Trichet, é um golpe para o BCE em sua tentativa de prever o espalhamento da crise da dívida europeia.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame