Exame Invest
Mercados

Mobius evita ações de bancos brasileiros em seus fundos

PUBLICADO EM: 7.5.19 | 14H54
ATUALIZAÇÃO: 11.7.19 | 17H19
Para o gestor, não dá para saber quais instituições vão sofrer com a concorrência das fintechs. Ele aposta nas Lojas Americanas e na Iochpe Maxion
Mark Mobius, responsável pela área de mercados emergentes da gestora americana Franklin Templeton

Mark Mobius: a guerra comercial entre Estados Unidos e China não é preocupante; o risco econômico vem do Brexit

Imagem da Editoria Exame Invest
Natália Flach



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo - Um dos maiores especialistas em mercados emergentes do mundo, o gestor Mark Mobius, da Mobius Capital Partners, é um otimista nato. Enxerga oportunidades onde outros veem problemas. Por isso, chama a atenção o fato de ele querer distância das ações de bancos brasileiros, mesmo tendo apresentado resultados bastante positivos no primeiro trimestre. "Não tenho dúvidas de que o Itaú é um excelente banco, mas temos de olhar crescimento. Não dá para saber quais instituições vão sofrer mais com a competição com as fintechs", disse Mobius, durante evento do BTG Pactual, na capital paulista.

Mobius, que tem US$ 180 milhões sob gestão em dois fundos (um baseado na Inglaterra e outro em Luxemburgo), tem dado preferência a papéis de varejistas, como os das Lojas Americanas, por sua atuação no comércio eletrônico, e de empresas com atuação global, como os da Iochpe Maxion, fabricante de componentes automotivos. "Hoje, a nossa exposição a Brasil é de 5%, mas é possível que a gente aumente essa fatia. Não só daqui mas de todos os BRICS", afirmou, em referência ao acrônimo de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Para o gestor americano, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) tem feito um bom trabalho ao colocar "pessoas especializadas nas áreas certas". Ele se referia principalmente a Salim Mattar, secretário de Desestatização e Desinvestimentos do Ministério da Economia. "Ele vai vender muita coisa ainda", disse rindo para a plateia de clientes do BTG. "Os investidores estão comprando Brasil, porque o país está indo na direção certa." Mobius acredita que a reforma da Previdência será aprovada - mesmo que seja pela metade do valor esperado pelo governo, de R$ 1 trilhão.

Riscos

Por mais que a guerra comercial entre Estados Unidos e China esteja no radar dos investidores globais, Mobius diz que não se preocupa, pois o jeito de agir do presidente americano, Donald Trump, é típico dos nova-iorquinos: é assim que eles  barganham.

"Trump vai elevar o tom, mas no fim vai acabar apertando as mãos dos chineses. Ambos precisam desse acordo: Trump por causa da eleição e os chineses porque o índice de confiança no país está caindo", afirmou.

Para Mobius, o risco é a saída do Reino Unido da União Europeia. "O impacto econômico será enorme."

Imagem da Editoria Exame Invest
Natália Flach


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame