Exame Invest
Mercados

Os 20 melhores e piores IPOs da década

PUBLICADO EM: 6.1.11 | 16H06
Levantamento traz os piores rendimentos e aqueles com melhor retorno entre as ofertas iniciais dos últimos anos
Eike

Empresas do carioca Eike Batista foram destaque entre os lançamentos de ações dos últimos dez anos

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 18MIN

São Paulo - Apostar numa empresa durante sua abertura de capital é uma operação delicada - nem todas valem hoje o quanto eram avaliadas no dia de sua estreia.  Durante os últimos dez anos, a bolsa brasileira viveu uma maré alta de IPOs ou ofertas públicas iniciais de ações, na sigla em inglês; para alguns, uma festa de grande potencial de lucro, para outros, uma bolha de preços injustificáveis.

A década teve momentos históricos, como a estreia da petrolífera OGX (OGXP3), do empresário carioca Eike Batista, que levantou 4 bilhões de dólares e fechou seu primeiro pregão em alta de 8,3%. Por outro lado, para a maioria, a alegria durou pouco: depois da euforia inicial, boa parte das aberturas de capital realizadas nos últimos anos se mostrou um investimento ruim - quase 70% das empresas que chegaram à bolsa valem hoje menos do que no dia do IPO.

De acordo com levantamento feito pela consultoria Economática,  investir em IPOs nos últimos dez anos resultou, simultaneamente, em acertos e equívocos de grande dimensão. O mercado brasileiro abrigou 128 ofertas iniciais de ações no período, que captaram cerca 123 bilhões de reais. A pesquisa leva em consideração a rentabilidade das ações desde o seu lançamento até o dia 23 de dezembro de 2010. Confira as 20 melhores e piores:

Os maiores ganhos

A dona do pódio de maior rentabilidade entre os IPO nacionais dos últimos dez anos é a Totvs (TOTS3), cujos compradoes viram as ações acumularem uma alta 219% acima do Ibovespa desde sua estreia em 2006 (o índice da bolsa nacional valorizou-se  83,7% no mesmo período). A  empresa de desenvolvimento e comercialização de software de gestão empresarial captou 460 milhões de reais com sua oferta, acima das estimativas do mercado, à época em 300 milhões.

A segunda ação com melhor desempenho em relação ao Ibovespa é o da Odontoprev (ODPV3) com rentabilidade de 181,02% acida da rentabilidade do Ibovespa que no mesmo período teve rentabilidade de 63,3%.

Posição Empresa Ação Setor Rentabilidade da ação
1 Totvs TOTS3 Software e dados 219,06%
2 Odontoprev ODPV3 Outros 181,02%
3 LocalizaRENT3 Outros 179,56%
4 Le Lis BlancLLIS3 Têxtil 175,20%
5 HypermarcasHYPE3 Outros 149,50%
6 Lojas MarisaAMAR3 Comércio 138,21%
7 Natura NATU3 Comércio 134,21%
8 Cyrela Realty CIRE3 Construção 110,69 %
9 Multiplus MPLU3 Outros 98,34%
10 Porto SeguroPSSA3 Seguradora 97,35%
11 PDG RealtPDGR3 Construção 92,65%
12 Sul AmericaSULA11 Seguradora 89,35%
13 MillsMILS3 Outros 84,55%
14 HelborHBOR3 Construção 83,02%
15 OGX Petroleo OGXP3 Petróleo e Gás 64,26%
16 FleuryFLRY3 Outros 60,27%
17 Cetip CTIP3 Finanças e Seguros 59,68%
18 DasaDASA3 Outros 58,16%
19 BR Malls PartBRML3 Outros 55,75%
20 MRVMRVE3 Construção 53,54%


As maiores perdas

Os resultados para quem investiu na fabricante de biocombustíveis Brasil Ecodiesel (ECOD3) como uma aposta de médio prazo foi desastroso: o papel desabou 92,96% descontada a rentabilidade do Ibovespa desde seu IPO em 2006.

A chegada da Brasil Ecodiesel à Bovespa foi cercada de problemas. A empresa esperava uma captação entre 536,8 milhões  e 694,7 milhões de reais. No final, a operação levantou 378,9 milhões, uma resposta da desconfiança do mercado acerca da real capacidade da empresa de cumprir o seu plano de investimentos.

Em segundo lugar na lista de piores rendimentos está a Laep (LAEP11), com um tombo de 89,47% de desvaloziração, descontada a rentabilidade do Ibovespa. 

table.tableizer-table {border: 1px solid #CCC;

font-family: Arial, Helvetica, sans-serif; font-size:

12px;} .tableizer-table td {padding: 4px; margin: 3px;

border: 1px solid #ccc;}
.tableizer-table th {background-color: #104E8B; color:

#FFF; font-weight: bold;}

Posição Empresa Ação Setor Rentabilidade da ação
1 Ecodiesel ECOD3 Outros -92,96%
2 Laep MILK3 Alimentos -89,47%
3 Santos BRP STBP11 Transporte -87,89%
4 Inpar S/A INPR3 Construção -85,18%
5 SpringsSGPS3 Têxtil -77,88%
6 Csu CardsystemCARD3 Outros -77,26 %
7 PositivoPOSI3 Eletrônicos -71,64%
8 Renar RNAR3 Agro e Pesca -70,38%
9 CR2CRDE3 Construção -69,50%
10 Brookfield BISA3 Co nstrução -68,53%
11 GolGOLL4 Transporte -68,30%
12 HSRF PartJHSF3 Construção -66,39%
13 Uol UOLL4 Software -65,63%
14 MinervaBEEF3 Alime ntos -64,98%
15 CC Des Imob CCIM3 Construção -63,91%
16 Fer HeringerFHER3 Química -62,14%
17 Sofisa SFSA4 Finanças -61,45%
18 ProfarmaPFRM3 Comércio -58,96%
19 GrendeneGRND3 Têxtil -58,40%
20 Providencia PRVI3 Química -58,37%

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame