Exame Invest
MERCADOS

Por que os bancos apostam na novata da Bolsa

PUBLICADO EM: 26.3.17 | 6H00
ATUALIZAÇÃO: 26.3.17 | 17H21
As ações da locadora de veículos Movida valorizaram 16,5% desde o IPO; ao menos quatro bancos recomendam a compra dos papéis
Locadora de carros Movida, que vai fazer IPO na Bolsa

(Andrea Matsumoto)

Imagem da Editoria Exame Invest
Rita Azevedo



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

São Paulo — O BTG Pactual e o Santander começaram, na última semana, a cobertura das ações da locadora de veículos Movida recomendando a compra dos papéis. Desde que estreou na Bolsa, no último dia 8 de fevereiro, as ações da companhia valorizaram 16,5%, sendo negociadas a pouco mais de 8 reais.

De acordo com o BTG, um dos pontos fortes da Movida é o poder de barganha com os fornecedores. O banco chama a atenção para a escala de aquisições alcançada pela empresa, que permite que ela consiga não apenas descontos na compra dos carros, mas a redução dos custos de manutenção.

“Acreditamos que a empresa construiu uma posição estratégica única que, combinada com um inteligente plano de negócios, deve se traduzir em um crescimento contínuo e bons retornos”, diz o banco em relatório. 

A expectativa da retomada da atividade econômica do país e o bom momento vivido pelo setor de aluguel de carros também devem pesar no desempenho dos papéis. O BTG estima valorização de mais de 60% do valor das ações, com preço-alvo em 14 reais em um ano.

A Movida também conquistou a confiança dos analistas do Santander, que iniciaram a recomendação afirmando que ainda há espaço para outra empresa grande no setor de aluguel de veículos, hoje liderado pela Localiza.  Em um ano, o banco espera que as ações da companhia valorizem mais de 30%, com preço-alvo de 11,60 reais. 

Em um relatório enviado aos clientes, o Santander chama a atenção para as operações da Movida que “atingiram os níveis de referência do setor” por serem realizadas em larga escala — o que possibilita ter o mesmo poder de negociação com as montadoras que os líderes do setor — e pelo giro eficiente de ativos. 

Os analistas destacam, no entanto, que a operação de venda dos carros usados ainda não está totalmente amadurecida. No último ano, dizem no documento, a companhia iniciou a construção de lojas próprias para veículos seminovos, que devem estar em uma situação estável até o final de 2018. Se isso acontecer, estimam, a Movida terá um grande catalisador para o crescimento do ROIC (retorno sobre capital investido, da sigla em inglês) nos próximos anos.

Resultados

Na última quinta-feira, a Movida apresentou os resultados financeiros referentes ao último trimestre de 2016. No período, a companhia registrou lucro líquido de 1,129 milhão de reais — mais de 90% menos do que o registrado um ano antes. O motivo da queda, segundo a empresa, foram os investimentos para ampliação da frota, abertura de novos pontos e aumento das estrutura administrativa.

De outubro a dezembro de 2016, a receita líquida foi de 493 milhões de reais, 30% mais do que no mesmo período de 2015. Já o lucro antes de juros e impostos (Ebit) caiu 10,8% na mesma base de comparação, para 60,6 milhões de reais.

Imagem da Editoria Exame Invest
Rita Azevedo


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame