Exame Invest
MERCADOS

Por que os gringos estão saindo da bolsa?

PUBLICADO EM: 27.11.12 | 5H12
Fluxo negativo em 2012 chega a 3,1 bilhões de dólares
Saída

Bolsa pode ter o segundo ano consecutivo de saídas, fato que só foi visto entre 2007 e 2008

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo – Os investidores estrangeiros estão de saída da bolsa brasileira. É verdade que a participação percentual deles está crescendo, mas o volume financeiro não é mais como outrora. A saída de 3,1 bilhões de dólares pode fazer com que 2012 feche a conta no negativo.

Seria o segundo ano consecutivo de saídas, fato que só foi visto entre 2007 e 2008, auge da crise mundial. Naqueles anos de terror financeiro aproximadamente 30 bilhões de dólares voltaram para os colchões de quem precisava pagar as contas fora daqui.

“O Brasil continua a ser um ponto de interrogação para os investidores estrangeiros”, ressaltam os analistas do JP Morgan, Emy Shayo Cherman, Pedro Martins Junior, Nur Cristiani, Diego Celedon e Arjun A Bhatia.

Isolado

“O que é interessante observar é que o fluxo do Brasil (e América Latina) está contra a tendência dos mercados emergentes, que têm visto fortes entradas em 2012”, explicam.

Para o banco, fatores globais ajudam a explicar o cenário, mas são os problemas internos que ajudaram a pesar a balança para o lado do receio dos investidores. A bolsa brasileira é uma das mais voláteis e uma das que mais tem exposição às commodities.

“Afora as outras preocupações globais, os fatores domésticos também pesaram bastante significativamente em duas frentes”, afirmam.

1 – Crescimento

“Primeiro, o descontentamento com crescimento do PIB levou os investidores a questionar o modelo brasileiro e, especialmente, sobre se o crescimento sustentável de longo prazo, ou em torno de 4%, é possível”, explicam.


Os analistas admitem que as políticas atuais, como a de manter o dólar acima de 2 reais, juro real em nível recorde (2%), 45 bilhões de reais em cortes de impostos e os esforços do governo em reduzir os custos para se fazer negócios no país podem levar a um melhor cenário em 2013.

“Ainda assim, existe bastante ceticismo sobre a magnitude e ‘timing’ dessa recuperação, mantendo os investidores de fora até que isso se materialize”, observam. O último relatório Focus, do Banco Central, mostrou um corte nas projeções para o PIB em 2012 e 2013.

2 – Ativismo do governo federal

O JP Morgan avalia que agora está bastante claro que vários setores sofreram bastante com a intervenção estatal. A primeira investida se deu em abril, quando a presidente Dilma Rousseff começou a questionar os altos spreads cobrados pelos bancos e a utilizar os estatais Banco do Brasil e a Caixa para forçar uma reavaliação dos juros no setor.

Além disso, em julho, a Anatel proibiu as vendas de novos planos das companhias telefônicas. Depois, em setembro, foi a vez da polêmica mudança nas regras das concessões do setor elétrico.

“A nossa visão é de que essas incertezas provocadas pelas mudanças regulatórias mantiveram os investidores afastados do Brasil, mas poderiam, ao final, trazer retornos positivos no médio e longo prazo já que as imperfeições estruturais estão sendo abordadas e poderiam resultar em um crescimento mais elevado no longo prazo”, opinam os analistas do JP Morgan.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame