Exame Invest
Mercados

Possibilidade de impeachment faz mercado se voltar a Temer

PUBLICADO EM: 28.3.16 | 14H10
Capacidade do vice-presidente ao assumir um governo de transição é a principal preocupação dos investidores no momento
Vice-presidente da República e presidente do PMDB Michel Temer durante evento do partido em Brasília

Vice-presidente da República, Michel Temer: para investidores, programa do partido pode ter efeito positivo no mercado, se implementado.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A expectativa de rompimento do PMDB com o governo acelera as apostas no afastamento da presidente Dilma Rousseff.

Com a possibilidade de o impeachment ser votado em menos de um mês, a tendência do mercado passa a depender menos de Dilma e mais da capacidade de um eventual governo do vice- presidente Michel Temer aprovar as reformas e reconquistar a confiança dos investidores.

O risco Brasil caiu mais de 100 pontos este ano, enquanto o Ibovespa subiu 26% em dólar. O mercado está refletindo o aumento da aposta na saída de Dilma, diz José Marcio Camargo, sócio da Opus Gestão de Recursos.

“O governo Dilma acabou; não consegue aprovar nada no Congresso”, diz Camargo, professor da PUC-RJ e que está entre os economistas que têm mantido contatos com interlocutores do vice-presidente sobre ideias para um eventual governo Temer.

O PMDB do RJ acenando com a saída do governo e a perspectiva de o partido todo e de outras legendas da base aliada também desembarcarem ajudam a impulsionar o mercado, diz Eduardo Longo, gerente de renda fixa e multimercados da Quantitas Gestão de Recursos. “Esses movimentos dão força para o impeachment."

O impeachment já está praticamente precificado, diz Camargo. Melhoras adicionais dos ativos brasileiros vão depender de o novo governo implementar uma agenda de reformas.

Camargo considera que o programa “Uma Ponte para o Futuro”, do PMDB, pode ter impacto positivo no mercado se implementado. O programa inclui, entre outras medidas, uma maior flexibilização do orçamento, que se tornaria impositivo, e a reforma da Previdência.

Camargo reconhece que as investigações da Lava Jato devem permanecer como um fator de incerteza mesmo que a mudança de governo seja confirmada.

Ainda assim, o impeachment seria bem visto pelos investidores por ao menos criar uma possibilidade de melhora que o mercado considera inexistente na hipótese de Dilma permanecer.

"O governo está paralisado. O impeachment pode não acabar com a crise, mas será difícil a situação continuar tão ruim quanto está hoje”, diz Camargo.

Embora o impeachment traga a chance de retomada das reformas, o mercado ainda tem mais dúvidas do que certezas sobre a viabilidade de um novo governo diante do cenário de elevada tensão política.

Os jornais têm noticiado conversas entre PMDB e PSDB sobre o cenário pós-Dilma, mas o fato de líderes dos dois partidos terem sido citados na Lava Jato desautoriza um otimismo mais convicto.

O foco do mercado é totalmente político, diz Leonardo Monoli, sócio e diretor da Jive Asset. “O Brasil está em stand- by, aguardando o que vai ser do seu futuro e com toda a sua população literalmente fora de sua zona de conforto em uma economia que afunda a passos largos", diz o diretor.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame